Setor da moda deve crescer no Rio 5,6% até 2023, diz Sebrae

Cerca de 5 mil indústrias gerando 70 mil empregos. Esse é o tamanho do setor produtivo da moda no Rio de Janeiro, segundo a Federação da Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (Firjan). Considerando a cadeia como um todo, incluindo o comércio, são contabilizados quase 26 mil estabelecimentos. Segundo a entidade, trata-se de um setor que reagiu com rapidez à crise econômica que se instalou no estado em 2014 e vem se fixando como um importante indutor da retomada do crescimento.

Dados do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) corroboram o cenário positivo, com estimativa de crescimento de 5,6% na cadeia de valor e otimismo no setor. “Estamos percebendo que as empresas continuam progredindo, pelo menos os pequenos negócios continuam gerando empregos. Nós sabemos que existe um ressentimento no varejo. Muitas lojas fecham. Mas o pessoal que trabalha com moda é muito criativo e tem encontrado outros tipos de possibilidades como lojas colaborativas, eventos, venda online, alternativas que propiciam a sobrevivência das empresas mesmo com as dificuldades da economia”, diz Fabiana Pereira Leite, coordenadora de moda do Sebrae-RJ.

A Firjan e o Sebrae, junto com o Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial (Senac), realizaram hoje (2) o 1º Encontro Estadual das Empresas de Moda do Rio de Janeiro, que recebeu o nome de Conecta Moda. O objetivo era oferecer uma sessão de negócios para gerar parcerias, fomentando assim a economia do estado.

“A força empreendedora da moda no Rio é muito forte. E 96% dos negócios do setor envolvem micro e pequenas empresas. Daí a importância deste tipo de iniciativa. Muitas vezes, o empresário está procurando um parceiro ou um fornecedor em um outro local, em outro estado, e pode ser que exista um ao seu lado sem que ele conheça”, diz Fabiana. Ela acredita que o encontra possa contribuir para o surgimento de novos produtos e processos produtivos.

Cerca de 130 empresas participaram do Conecta Moda, sendo 45% da região metropolitana, mas com representantes de todas as regiões do estado. Entre elas estão produtoras de vestuário, roupa íntima, moda de praia, chapéus, joias, calçados e bolsas, além de fornecedores de aviamentos, componentes, tecidos e manequins e lojas compradoras para venda no varejo. Segundo Fabiana, a participação superou as expectativas e, com o sucesso desta primeira edição, a ideia é de que o evento passe a ocorrer de forma mais regular.

A coordenadora de moda do Sebrae-RJ explica ainda que as parcerias são relevantes, sobretudo porque o setor vem abraçando a ideia de uma economia circular. “Há uma preocupação muito grande com o propósito da marca, e elas apostam na sustentabilidade, na cultura colaborativa. O empresário que cria uma marca de moda nova precisa ter algo a dizer, porque também o consumidor está interessado em saber a origem da matéria prima e detalhes de quem produz. E as empresas que não nasceram com este viés, estão correndo atrás do prejuízo”.

As oportunidades abertas pelo evento agradou Tairone Vieira, representante da HAK, empresa de Nova Friburgo que fornece aviamentos e soluções têxteis. “Já fechei 20 negócios tanto com clientes que já nos conheciam e também com outros que estão começando. Tem muita gente nova no setor”, disse. Segundo ele, o volume de negócios tem crescido e não há o que reclamar.

Recuperação

Os números da Firjan mostram ainda a força do setor na exportação no Rio de Janeiro. Em 2017, as vendas ao exterior totalizaram US$ 26,6 milhões, um avanço de 6% em relação ao ano de 2016. Somente no segmento de moda íntima, o estado registrou um crescimento de 114% das exportações. As empresas fluminenses também responderam por cerca de metade de tudo o que o Brasil exportou de moda de praia.

Segundo Ana Torres, coordenadora dos setores de Desenvolvimento das Indústrias de Bens de Consumo da Firjan, foi possível observar pelo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) que o setor teve uma rápida reação após a crise econômica. “Foi um dos primeiros setores em que as contratações voltaram a crescer, com um destaque para Nova Friburgo, onde temos o polo de moda íntima”.

A coordenadora destaca que a constante criação de novas empresas contribui para a estabilidade do setor. “É uma cadeia produtiva estável, sendo hoje a segunda maior geradora de empregos no estado. Então, tem uma importância social muito grande. Sempre tem muitas empresas novas entrando. É um setor que não tem muita barreira de entrada e é bastante movimentado, com produtos sendo lançados a cada semana”, acrescentou Ana Torres.

Edição: Davi Oliveira

Fonte Oficial: EBC.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!