TCU adia análise sobre contrato do governo com a Telebras

O Tribunal de Contas da União (TCU) decidiu adiar até o dia 31 de outubro a análise do processo sobre a contratação da Telebras pelo Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC) para viabilizar o programa Governo Eletrônico – Serviço de Atendimento ao Cidadão (Gesac). O julgamento deve analisar também o mérito da parceria da Telebras com a empresa norte-americana Viasat, que sob análise do ministro Benjamin Zymler.

Com a decisão, tomada ontem (2), fica mantida a liminar da ministra Ana Arraes, de 25 de julho, que suspendeu a contratação da Telebras pelo MCTIC. A medida interrompeu a instalação de pontos do Gesac e do programa Internet para Todos pela Telebras.

Na ocasião, o TCU determinou a suspensão até que a Corte deliberasse sobre o mérito da matéria, atendendo a pedido do Sindicato Nacional das Empresas de Telefonia e de Serviço Móvel Celular e Pessoal (SindiTelebrasil). O sindicato argumentou a possibilidade de irregularidades na contratação da Telebras para a prestação dos serviços.

Até junho, o programa era atendido por um consórcio entre a Embratel e Oi. A previsão inicial era de instalação de 18 mil pontos, reduzida posteriormente para cerca de 11 mil pontos. No final do ano passado, o governo contratou a Telebras por R$ 663,575 milhões para a execução do programa por cinco anos. A meta é de instalação de cerca de 15 mil pontos.

Ausência de critérios

Ao deferir a liminar, a ministra disse que a assessoria técnica do tribunal constatou “ausência de critérios” na comprovação de qualificação econômico-financeira e de qualificação técnica para a contratação da empresa estatal. De acordo com a ministra, a decisão visou evitar riscos iminentes de prejuízos ao interesse público.

Apesar da suspensão do programa, o TCU liberou em setembro, a Telebras a retomar a ativação de pontos para acesso à internet banda larga. A medida, entretanto, libera parcialmente a instalação de 98 pontos na fronteira do Brasil com a Venezuela, nos estados de Roraima e de Amazonas e onde está sendo registrada grande migração.

Edição: Sabrina Craide

Fonte Oficial: EBC.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!