Paulo Guedes, um economista liberal para um presidente de extrema direita – Exame

Abertura econômica, redução de impostos e simplificação da estrutura fiscal são crenças liberais defendidas por Guedes opostas as de Bolsonaro

Por AFP

access_time 8 out 2018, 14h42

Poucas coisas definem melhor o pensamento e as propostas de Paulo Guedes, guru econômico de Jair Bolsonaro e, muito provavelmente, próximo ministro da Fazenda – se o candidato de extrema direita for eleito presidente – como sua visão do Estado: quanto menor, melhor.

É que este ex-professor, fundador de centros de estudo econômico, de bancos e portfólios de investimentos, é um liberal purista.

Formado no Brasil, mas moldado no berço do liberalismo econômico moderno, a Universidade de Chicago, onde fez seu mestrado e doutorado, este homem de 69 anos sempre foi um ativo promotor de sua crença: abertura econômica, redução de impostos e simplificação da estrutura fiscal.

Suas ideias e promessas explicam a razão pela qual a Bolsa de São Paulo festejou, com alta de até 6% em sua abertura nesta segunda-feira (8), a vitória de Bolsonaro no primeiro turno (46% dos votos), que o deixa em posição confortável para enfrentar Fernando Haddad (28%) em 28 de outubro.

Talvez por isso a sua aproximação com Jair Bolsonaro, de extrema-direita e protecionista, tenha chamado a atenção. Inclusive chocou os que entendem que o protecionismo histórico brasileiro não entra no dicionário de nenhum liberal ortodoxo como Paulo Guedes. E vice-versa.

Bolsonaro solucionou a questão com uma resposta simples: “Na verdade, não entendo de economia”, confessou ao jornal O Globo.

“A última que disse que entendia (de economia) foi Dilma (Rousseff) e afundou o país”, declarou Paulo Guedes durante uma conferência em janeiro, segundo relatou o jornal Folha de S.Paulo.

‘Superministro’ privatizador

Guedes rapidamente surgiu como um colaborador de peso em um eventual gabinete do Partido Social Liberal (PSL) e Bolsonaro.

Um “superministro” que deveria unir sob o seu comando as atuais pastas de Fazenda, Indústria e Comércio, Planejamento e a secretaria encarregada de Associações e Investimentos do Estado.

Com um semblante sério e uma expressão que beira a preocupação, Paulo Guedes é o homem a quem Bolsonaro espera entregar a difícil tarefa de tirar o Brasil de dois anos de recessões e outros dois de baixo crescimento.

Seus desafios: diminuir o déficit fiscal e reverter a trajetória de crescimento da dívida pública, que passou de 58% do PIB em 2013 para 77,3% do PIB atualmente, e que, sem reformas, poderia chegar a 140% em 2030, segundo o Banco Mundial.

Guedes traz uma receita de seu manual de Chicago debaixo do braço: “Reduzir a dívida pública em 20% mediante privatizações, concessões” e a venda de propriedades estatais.

Um projeto delicado em um país onde empresas emblemáticas, como a Petrobras, os Correios e a Eletrobras, são estatais.

Paulo Guedes também é partidário de uma transição do atual sistema previdenciário para um regime de capitalização ou cotizações individuais. Um modelo similar ao do Chile, onde o assessor de Bolsonaro atuou como professor universitário nos anos 1980, durante a ditadura de Augusto Pinochet (1973-1989).

Mas a convivência entre Guedes e Bolsonaro já teve algumas desavenças.

Em setembro, o assessor deixou os empresários de cabelo em pé ao dizer que poderia ressuscitar um imposto às transações financeiras (CMPF), excetuando as da Bolsa, em substituição a cinco taxas.

Bolsonaro teve que intervir para apagar o incêndio.

“O presidente serei eu. Tratei esse assunto com ele. Ele falou que foi um ato falho. Ele quer diminuir a quantidade de impostos”, explicou esta semana em uma entrevista com uma rádio de Pernambuco. E insistiu: “Teremos um ministro, sim, mas, acima dele, tem um comandante e esse comandante chama-se Jair Bolsonaro”, lançou.

Fonte Oficial: Exame.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!