Boi: Volume de Carne Bovina in Natura Embarcada Pelo Brasil Atingiu Novo Recorde – Investing.com

BOI: Os preços do boi gordo subiram em setembro pelo terceiro mês consecutivo. No acumulado do mês, o Indicador ESALQ/BM&FBovespa registrou alta de 3,41%, fechando em R$ 151,80 – em agosto, o aumento foi de 3,6% e em julho, de 1,65%. A sustentação veio da baixa oferta de boi gordo pronto para o abate neste período de entressafra e também das exportações em ritmo intenso – o volume de embarcado em setembro foi recorde.

A média parcial do Indicador do boi em setembro foi de R$ 149,68, sendo 3,36% superior à do mês anterior, mas 4,33% acima da média de setembro/17 e a maior desde novembro de 2016, em termos nominais. Já em termos reais, ou seja, considerando-se a inflação, a média de setembro deste ano ficou 3,75% inferior à do mesmo mês de 2017 (valores foram deflacionados pelo IGP-DI).

CARNE: A valorização do boi gordo vem se refletindo no mercado de carnes. Em setembro, a média da carcaça casada do boi foi de R$ 10,06/kg, está 4,5% acima da de agosto/18 e 1,82% maior que a de setembro/17, em termos nominais. Em termos reais, a média de setembro fica 6,06% inferior à do mesmo mês de 2017.

EXPORTAÇÕES: O volume de carne bovina in natura embarcada pelo Brasil atingiu novo recorde em setembro, somando 150,66 mil toneladas, 4,3% superior ao de agosto/18 e 34,6% acima do de setembro/17, segundo dados da Secex. A forte valorização do , que torna a carne brasileira mais competitiva no mercado externo, e a crescente demanda da Ásia, especialmente de Hong Kong e China, ajudam a explicar o bom desempenho das vendas externas.

Em setembro, a moeda norte-americana teve média de R$ 4,11, o maior patamar desde o início do plano Real. O valor médio pago pela tonelada da carne brasileira foi de US$ 3.952,2 em setembro, o menor em 2018, sendo 3,2% inferior ao de agosto e 6,16% abaixo do de setembro/17, ainda de acordo com a Secex. Já em moeda nacional, a tonelada foi exportada a R$ 16.243,54 em setembro, 1,22% acima do mês anterior e 22,82% a mais que em setembro/17. O dólar e o volume embarcado em patamares recordes resultaram em receita em moeda nacional também recorde. Segundo dados da Secex, exportadores brasileiros receberam R$ 2,445 bilhões em setembro, 5,6% a mais que em agosto e expressivos 65,3% acima de setembro/17.

ABATE – O percentual de abate de novilhas frente ao total abatido no Brasil foi recorde no primeiro semestre deste ano. Esse número evidencia que a pecuária nacional vem registrando maior eficiência produtiva, resultado, dentre outros fatores, do uso de tecnologia no campo, como inseminação em novilhas mais jovens, e do menor intervalo entre partos. E todo esse contexto permitiu que outras novilhas, ao invés de se tornarem reprodutoras, fossem enviadas para o abate, no intuito de atender à demanda por esse tipo de carne – que, muitas vezes, paga o mesmo valor da carne do boi gordo.

Segundo dados divulgados pelo IBGE, analisando-se a série histórica desde 1997, o abate de novilhas no acumulado de janeiro a junho deste ano representou 10,96% do total de animais (machos e fêmeas), um recorde para o período. Até então, o primeiro semestre de 2014 registrava o maior percentual de novilhas no abate total, de 10,32%. Somente nestes dois anos (2014 e 2018), inclusive, que a porcentagem de abate de novilhas em relação ao total ultrapassou os dois dígitos. Em termos absolutos, foram abatidas, de janeiro a junho deste ano, 1,692 milhão de novilhas, enquanto que, em 2014, esse número foi de 1,746 milhão.

Fonte Oficial: Investing.com.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!