Indústria reclama que Bolsonaro fala mais com o mercado do que com o setor – Exame

Brasília – Setores da indústria brasileira estão preocupados com a falta de clareza dos dois candidatos ao Palácio do Planalto, Jair Bolsonaro (PSL) e Fernando Haddad (PT), em relação aos programas de governo, principalmente em relação ao tema do setor produtivo. As incertezas maiores recaem sobre o candidato do PSL, que obteve mais votos no primeiro turno.

O presidente da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea), Antonio Megale, queixou-se, na terça-feira, 9, em Brasília, da postura da equipe do PSL. “A equipe de Bolsonaro procura mais o mercado financeiro do que o setor produtivo, principalmente o Paulo Guedes”, afirmou.

Guedes, coordenador econômico da campanha, está cotado para assumir como futuro ministro de Economia em um eventual governo. Megale também criticou a proposta dele de unificar o Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (Mdic) com a Fazenda e manifestou especial preocupação com o risco de uma abertura comercial unilateral, com redução do Imposto de Importação, hoje de 35%.

Segundo Megale, a abertura comercial deve ser feita, mas por meio de acordos comerciais, como o que está sendo negociado com a Europa. Ele defende uma redução a zero do Imposto de Importação num prazo de 15 anos e carência de cinco a sete anos antes da alíquota começar a cair. Outra preocupação da indústria automobilística, que já recebeu muitos benefícios fiscais, é com a votação, até dezembro, da Medida Provisória que cria o Rota 2030, programa que incentiva a pesquisa e inovação. Se não for votada no prazo, ela caduca.

O presidente da Anfavea disse ainda que o candidato que ganhar terá de “chegar” com propostas muito bem definidas diante da “impaciência” dos eleitores, demonstrada nas urnas. “Uma coisa é fazer plano estando fora, outra é sentar na cadeira.”

Megale afirmou que o setor não vai se posicionar em relação a candidatos. Ele classificou a equipe de Bolsonaro como “mais liberal” e a de Haddad como “mais desenvolvimentista” e disse que o problema fiscal deve ser o primeiro problema a ser combatido por quem vencer as eleições.

O presidente da Associação Brasileira de Máquinas e Equipamentos (Abimaq), João Carlos Marchesan, também afirmou que o diálogo de Bolsonaro privilegia o mercado. “Nos ressentimos da mesma situação”, disse. “Não tivemos ainda essa interlocução e entendemos que a saída do Brasil passa não só pelo agronegócio, mas pela indústria também.”

Segundo Marchesan, o setor de máquinas não é contra a abertura comercial, mas ela tem de ser acompanhada de uma política de melhora da competitividade por meio de uma reforma tributária para reduzir impostos, reforma da Previdência e equilíbrio fiscal.

Venilton Tadini, presidente da Associação Brasileira da Infraestrutura e Indústrias de Base (Abdib), também defende a abertura comercial só após ajustes de mercado para melhorar a competitividade. Isso se faz, em sua opinião, com câmbio controlado, juros baixos, redução da carga tributária e infraestrutura. “Não pode ser unilateral e feita de supetão.”

Tadini discorda, porém, da crítica à falta de diálogo por parte de Bolsonaro. “Antes do primeiro turno, o general Hamilton Mourão, vice de Bolsonaro, esteve na Abdib e falou de projetos para integração energética, logística e estrutura de transportes e ouviu nossas propostas.”

Os representantes da indústria química também estiveram duas vezes com integrantes da campanha de Bolsonaro – com Luciano de Castro, professor da Universidade de Iowa, e com o economista Carlos Alexandre da Costa. “Não se falou, em nenhuma reunião, de junção de ministérios”, disse o presidente executivo da Associação Brasileira da Indústria Química (Abiquim), Fernando Figueiredo.

O executivo afirmou que as demandas do setor químico também foram apresentadas ao PT e que, com ambas as candidaturas, houve convergência em relação à necessidade de equilíbrio fiscal e reforma da Previdência. “A única questão é que eles não pensam em projetos setoriais, como gostaríamos”.

O presidente da Associação Brasileira da Indústria do Plástico (Abiplast), José Ricardo Roriz afirma, no entanto, que também se reuniu com Guedes e Costa e que vê um grande foco de Bolsonaro em questões de infraestrutura, aumento de produtividade e redução da carga tributária. “De jeito nenhum (há um diálogo maior com o mercado financeiro)”, disse. Com a equipe de Haddad, a entidade não chegou a se reunir. “Apenas enviamos nosso material.” As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Fonte Oficial: Exame.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!