Câmara aprova MP que cria novo regime tributário para montadoras

A Câmara dos Deputados concluiu na noite de hoje (7) a votação da medida provisória (MP) que cria um novo regime tributário para montadoras de veículos, o chamado Rota 2030. As discussões se iniciaram no meio da tarde e foram marcadas por tentativas de obstrução e mudança no texto. O objetivo do projeto é criar uma nova política industrial para o setor automotivo com a condição de as empresas investirem na pesquisa e desenvolvimento de projetos sustentáveis. 

Enviada pelo Poder Executivo, a MP sofreu alterações na comissão mista, formada por deputados e senadores. No plenário, após aprovarem o texto-base da matéria, os parlamentares aprovaram uma emenda que beneficia os carros movidos a motores flex. A alteração permite reduzir a alíquota do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) em até três pontos percentuais. Atualmente, a redução máxima permitida é de dois pontos.

Um dos trechos mais polêmicos, que flexibilizava o pagamento das dívidas iguais ou superiores a R$ 15 milhões, foi retirado pelos deputados por meio de um destaque apresentado pela bancada do PSOL. Com a mudança, a obtenção de condições mais vantajosas para regularização das montadoras de veículos ficou limitada a dívidas desse valor.

Apesar de conseguir retirar as importadoras de veículos do programa Rota 2030, o plenário da Câmara manteve no texto do relator, deputado Alfredo Kaefer (PP-PR), o benefício fiscal para a importação de peças por encomenda de montadoras localizadas no Brasil. Com isso, o IPI poderá ser suspenso para esse tipo de compra.

Outro trecho retirado foi o que favorecia empresas localizadas no Centro-Oeste, ao igualar os benefícios concedidos a montadoras do Nordeste. Novas exigências para as indústrias, como ampliar a capacidade de mobilidade e logística, também foram incluídas nas diretrizes do novo programa por meio de uma emenda de plenário. 

Para que continue em vigor, o projeto de lei de conversão, proveniente da MP, precisa ser aprovado pelos senadores até o dia 16 deste mês. Assinada em julho, a medida cria o Programa Rota 2030 – Mobilidade e Logística, que concede créditos tributários. Ele substitui o Inova- Auto, que vigorou de 2012 a 2017 e concedia vantagens tributárias para a cadeia produtiva do setor no país.

Para fazer jus ao benefício tributário, no entanto, a indústria automobilística terá que garantir um aporte mínimo anual de R$ 5 bilhões em investimentos nas áreas de pesquisa e desenvolvimento. Cada empresa poderá gerar crédito tributário de até 10,2% do valor investido. Serão estabelecidos indicadores e metas relacionadas à segurança veicular, tecnologia embarcada e redução de consumo de combustível.

A previsão de renúncia total da medida provisória será de R$ 2,113 bilhões em 2019; e R$ 1,646 bilhão em 2020. A renúncia já foi incluída pelo governo no projeto da lei orçamentária do próximo ano.

*Com informações da Agência Câmara

Edição: Carolina Pimentel

Fonte Oficial: EBC.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!