Aceno de Bolsonaro a Israel põe em xeque bilhões em exportações de frango – Exame

São Paulo – A proposta feita pelo presidente eleito, Jair Bolsonaro, de transferir a embaixada brasileira em Israel de Tel Aviv para Jerusalém tem preocupado representantes do agronegócio, sobretudo pelas relações comerciais com nações muçulmanas e que têm o frango como principal produto.

No dia 1º de novembro, em uma entrevista ao jornal “Israel Hayom” e em uma postagem no Twitter, o futuro mandatário ratificou a promessa de campanha de trocar a embaixada de cidade. Logo após o posicionamento, o Egito cancelou a visita que receberia do chanceler Aloysio Nunes – o que o Ministério das Relações Exteriores (Itamaraty) minimiza, afirmando se tratar de uma questão de agenda.

O mal-estar foi sentido inclusive por membros da equipe de transição do futuro governo. Na última quarta-feira, a deputada federal Tereza Cristina (DEM-MS), presidente da Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA) e futura ministra da Agricultura no governo Bolsonaro, disse que pretende conversar com o presidente eleito para entender como atuar neste caso.

“Tenho recebido chamadas de pessoas preocupadas, de exportadores, de industriais, sobre todo o setor de carnes, que é um dos que mais fazem comércio com o mercado árabe”, disse ela a jornalistas, antes de uma reunião com Bolsonaro em Brasília.

As exportações de frango de janeiro a outubro deste ano totalizaram 3,425 milhões de toneladas e US$ 5,4 bilhões, segundo números divulgados na última quarta-feira (7) pela Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA).

Arábia Saudita e Emirados Árabes Unidos estão entre os principais compradores, já que o Brasil é um grande produtor de frango halal, certificação referente à produção para culturas islâmicas que inclui exigências como o abate sem sofrimento, feito de acordo com normas da Sharia, um conjunto de leis da fé muçulmana.

De acordo com a Câmara de Comércio Árabe-Brasileira, em 2017, as exportações brasileiras aos países da Liga Árabe somaram US$ 13,6 bilhões, sendo US$ 2,6 bilhões só em produtos avícolas.

“Existe preocupação, porque a relação é de muita confiança, conquistada há muitas décadas. Com isso, conseguimos que esse comércio atingisse sete vezes mais resultados nos últimos 20 anos”, explicou Rubens Hannun, presidente da Câmara de Comércio Árabe-Brasileira, em entrevista à Agência Efe.

Segundo ele, as associações estão trabalhando para que a mudança da embaixada seja revista e não atrapalhe o crescimento de um mercado já consolidado, o qual ele estima que “chegue a 20 bilhões de toneladas exportadas nos próximos quatro anos”.

Hannun reafirmou que a Câmara está atuando para melhorar a infra-estrutura desse comércio e estreitar relações com os países árabes, que somam cerca de 450 milhões de pessoas.

Para Ali Zoghbi, vice-presidente da Federação das Associações Muçulmanas do Brasil (Fambras), responsável pela certificação de produtos halal, “existem riscos bastante importantes” no cenário atual.

“Há players (de produtos halal) dispostos a assumir o que conquistamos com muito custo”, afirmou Zoghbi à Efe.

“Durante décadas de trabalho, muitos governos de diversas matizes ideológicas construíram esse mercado. A movimentação política não pode arriscar tanto”, acrescentou, esperançoso por uma revisão do posicionamento.

Para ele, um governo não pode pôr em risco um setor que, segundo suas estimativas, é responsável por cerca de 150 mil empregos diretamente ou indiretamente.

Já para Francisco Turra, presidente da ABPA, não é um bom momento para se medir um possível impacto que a transferência da embaixada pode causar, porque o futuro governo não está formado, embora se mostre atento à apreensão.

“Não imagino que a gente menospreze o mundo islâmico. Cabe confiar no presidente eleito e que ele venha a considerar esse estrago”, avaliou.

Turra destacou que o Brasil é o melhor produtor do sistema halal e que isso deve ser levado em conta pelo novo governo, além de comentar que o cancelamento da visita de Aloysio Nunes por parte do Egito é “um sinal amarelo” para “se rever posições”.

“A conversa – do governo eleito – está aberta ao setor agropecuário. São muitos contatos e estamos passando essas mensagens de alerta e sugestão”, disse Turra.

Jair Bolsonaro foi publicamente apoiado pela FPA – também chamada de “bancada ruralista” – e por produtores e empresários rurais, entre eles Ricardo Castellar de Faria, dono da Granja Faria e que doou R$ 15,9 mil para a campanha do militar da reserva à presidência, sendo o maior doador individual do financiamento coletivo da candidatura, que arrecadou pouco mais de R$ 3,7 milhões.

Procurados pela Agência Efe, o Itamaraty e a embaixada de Israel no Brasil não quiseram se pronunciar sobre o assunto.

Fonte Oficial: Exame.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!