Itália mantém pilares do plano orçamentário, apesar das críticas da UE – Exame

A UE exige que a Itália reduza seu déficit estrutural em 2019 para 1,2% e continue diminuindo nos próximos anos para alcançar um orçamento equilibrado

Por Reuters

access_time 9 nov 2018, 12h29

Roma/Helsinque – A Itália manteve os principais pilares de seu plano orçamentário para 2019 nesta sexta-feira, à medida que o prazo para o país mudar o que Bruxelas chamou de suposições excessivamente otimistas ou enfrentar penas por violar as regras fiscais da União Europeia.

Luigi Di Maio, vice-primeiro-ministro em Roma, e o ministro da Economia, Giovanni Tria, disseram estar comprometidos em respeitar o déficit orçamentário máximo de 2,4 por cento da produção econômica no ano que vem.

Mas a Comissão Europeia, que deu a Roma até a terça-feira para apresentar um novo orçamento, previu um déficit de 2,9 por cento e um déficit fiscal estrutural – excluindo as variações pontuais e os ciclos de negócios – aumentando para 3,0 por cento para a Itália.

De acordo com as exigências da UE, a Itália deve reduzir seu déficit estrutural no próximo ano para 1,2 por cento e continuar diminuindo mais a cada ano até alcançar um orçamento equilibrado.

Tria disse que o governo está “ocupado em redigir uma resposta à Comissão Europeia com relação aos pontos mais contenciosos do orçamento”.

Mas Roma vai confirmar seus “principais pilares”, já que uma desaceleração econômica tornará a expansão fiscal ainda mais necessária, disse ele em uma audiência parlamentar.

A Comissão rejeitou o plano fiscal da Itália para 2019 no mês passado, dizendo que desrespeitou um compromisso anterior de reduzir o déficit e que não garantiu uma redução na dívida do país, a segunda maior da zona do euro como proporção do PIB.

Em Helsínque, Valdis Dombrovskis, o vice-presidente da Comissão responsável pelo euro, reafirmou nesta sexta-feira que o braço executivo da UE está considerando iniciar um procedimento por déficit excessivo se a Itália não alterar o orçamento.

Ele disse que Bruxelas acredita que os cálculos fiscais de Roma são “excessivamente otimistas”.

“Basicamente, a suposição é que, se eles aumentarem os gastos públicos, estimularão a economia e, assim, ajudarão a reduzir o déficit orçamentário. Vemos que isso não está realmente se concretizando”, disse ele.

Fonte Oficial: Exame.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!