ONGs levarão à COP 14 recomendações relativas ao meio ambiente – Isto É

Representantes de entidades ligadas à causa ambiental e à defesa de direitos humanos no Brasil vão entregar amanhã (13) às delegações presentes à 14ª Conferência das Partes (COP 14) sobre Diversidade Biológica carta aberta em que apresentam recomendações e críticas relativas à área. O evento vai até dia 29 na cidade egípcia de Sharm El Sheikh.

Até meados da tarde de hoje (12), 92 entidades haviam assinado o documento. São organizações não governamentais (ONGs) que advertem sobre a possibilidade de o Brasil abandonar o Acordo de Paris, flexibilizar a fiscalização e o uso de agrotóxicos no país, atingindo a qualidade de vida a população como um todo. O documento reúne oito páginas.

Na carta, as entidades pedem que a comunidade internacional acompanhe a transição política no Brasil, no momento em que o presidente Michel Temer se prepara para transmitir o cargo ao presidente eleito, Jair Bolsonaro.

O documento indica preocupação com eventual retrocesso na proteção da biodiversidade, das florestas, dos territórios indígenas e tradicionais. Para as entidades, há ameaças à democracia e riscos de violações.

Signatários

A carta é assinada pela Articulação Nacional de Agroecologia; AS-PTA Agricultura Familiar e Agroecologia e Associação Brasileira de Agroecologia; pelo Coletivo Cidade Que Queremos – Porto Alegre e Centro Ecológico Conselho Nacional das Populações Extrativistas e pela Coordenação Nacional de Articulação das Comunidades Negras Rurais Quilombolas (Conaq).

Também assinam a carta a Fase – Solidariedade e Educação; o  GT-Biodiversidade da Articulação Nacional de Agroecologia; o Instituto Gaúcho de Estudos Ambientais; o Movimento Ciência Cidadã;  o Movimento Camponês Popular; o Movimento de Mulheres Camponesas; o Movimento dos Pequenos Agricultores; o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST); a Rede de Comunidades Tradicionais Pantaneiras, a Sociedade Brasileira de Etnobiologia e Etnoecologia e a organização Terra de Direitos.

Expectativas

No texto, as entidades civis destacam a possibilidade de votação, nesta quinta-feira (13), da Política Nacional de Redução do Uso de Agrotóxicos (Pnara), na Câmara dos Deputados. A proposta define ações que contribuam para a redução progressiva do uso de agrotóxicos na produção agrícola, pecuária, extrativista e nas práticas de manejo dos recursos naturais.

O recomendável, ressaltam as entidades, é que a Pnara seja adotada como lei federal, já que constituiria um instrumento importante para que o Brasil cumpra as Metas da Biodiversidade 2020 (Metas de Aichi) e os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) da Agenda 2030, com a qual se comprometeram líderes mundiais de todo o mundo.

Preocupação

A carta destaca o fato de o Brasil ser um dos países com maior área cultivada de sementes geneticamente modificadas (GM). De acordo com as entidades, são mais de 45 milhões de hectares e 81 variedades geneticamente modificadas liberadas, das quais 83% são de milho, soja e algodão, resistentes a um ou mais herbicidas de elevado impacto à saúde e ao meio ambiente.

De acordo com as ONGs, o uso de de sementes transgênicas, unido ao emprego de agrotóxicos, transforma o país em um amplo consumidor de agrotóxicos, colocando em risco a saúde da população.

 

O post ONGs levarão à COP 14 recomendações relativas ao meio ambiente apareceu primeiro em ISTOÉ DINHEIRO.

Fonte Oficial: Isto É.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!