Sob Bolsonaro e Macri, Mercosul quer comércio ao estilo Trump – Exame

Brasil e Argentina, duas das economias mais protecionistas do mundo, concordam que é preciso reformar o Mercosul. A mudança pode atender a demanda represada por anos, mas também trazer custo político.

O presidente eleito Jair Bolsonaro sinalizou intenção de tornar o Mercosul mais ágil e permitir que seus integrantes negociem acordos de livre comércio bilateralmente, de modo parecido com o que defende o presidente dos EUA, Donald Trump.

Na Argentina, o presidente Mauricio Macri também quer reformar o bloco, segundo dois integrantes do alto escalão de governo que pediram anonimato.

Brasil, Argentina, Uruguai e Paraguai (os dois outros parceiros do bloco) não conseguiram fechar nenhum acordo comercial significativo desde a fundação do Mercosul, há quase três décadas.

Agora, Bolsonaro e Macri precisam mostrar ao eleitorado que políticas pró-mercado podem melhorar a vida da população, ao atrair mais investimentos, trazer produtos importados mais baratos e abrir mercados para suas exportações. No entanto, muitos grupos defendem as tarifas protecionistas do Mercosul.

“O preço da transição será salgado e trará custos sociais e políticos, mas o esforço acabará valendo a pena”, disse Benjamin Gedan, responsável pelo Projeto Argentina do Wilson Center, que foi diretor do Conselho Nacional de Segurança da Casa Branca para a América do Sul durante o governo Obama.

Hora da mudança

Nas últimas semanas, vem surgindo uma retórica unificada sobre o comércio — algo raro na América do Sul —, sinalizando que as reformas podem ser iniciadas quando Bolsonaro assumir o cargo, em janeiro.

“O Mercosul não é uma gaiola de ouro, mas uma plataforma de inserção global”, disse o vice-ministro de Relações Exteriores do Uruguai, Ariel Bergamino, em entrevista por telefone. “Talvez o Mercosul precise se modernizar para refletir o mundo atual.”

Paulo Guedes, escolhido por Bolsonaro para comandar Ministério da Fazenda, criticou o Mercosul e disse que o Brasil não será “prisioneiro” da ideologia protecionista do bloco. Entre os líderes argentinos, um sentimento parecido sobre o legado das tarifas se faz mais presente.

“Na Argentina, não funcionou”, disse o presidente do Banco Central argentino, Guido Sandleris, em entrevista recente à Bloomberg. “No governo anterior, houve um processo de desengajamento com o comércio global e estamos tentando reverter isso.”

Reforma vs realidade

Remover as tarifas do bloco não traz muito ganho de curto prazo para Bolsonaro, que pode liderar a reforma.

A maior parte das exportações brasileiras de bens manufaturados vai para parceiros do Mercosul e, se novos acordos comerciais reduzirem as tarifas sobre as importações de países de fora do bloco, o País pode perder clientela porque os produtos brasileiros são mais caros e têm menos qualidade, segundo especialistas.

“Essa conversa de que o Brasil não negocia [acordos bilaterais] porque não pode é uma das maiores falácias de política comercial”, disse Pedro Motta Veiga, associado ao Centro Brasileiro de Relações Internacionais (Cebri), no Rio de Janeiro, e diretor do CINDES (Centro de Estudos de Integração e Desenvolvimento). “O Brasil é, de longe, o mais protecionista dos países do Mercosul.”

A retirada das tarifas poderia colocar empregos em risco no Brasil e Argentina, que ocupam, respectivamente, os 72º e 81º lugares do Índice de Competitividade Global do World Economic Forum, que acompanha 137 países.

Na Argentina, o livre comércio costuma ser associado ao desemprego, após a tentativa do ex-presidente Carlos Menem de abrir a economia na década de 1990.

Macri pode não dar conta dessa perspectiva, já que tentará a reeleição no ano que vem em meio a uma situação econômica difícil. No Brasil, o desemprego é quase recorde e setores da indústria têm poderoso lobby no Congresso.

Negociações com UE

A eventual transformação do Mercosul pode colocar em xeque um acordo comercial que vem sendo trabalhado há anos entre o bloco e a União Europeia. As negociações com a UE serão retomadas nesta semana em Bruxelas, mas recentemente caíram em um impasse e o acordo visado há tanto tempo não tem previsão para sair.

De acordo com uma resolução assinada pelo Mercosul em 2000, cada país integrante fica comprometido a negociar pactos comerciais como bloco. Essa resolução precisaria ser revogada ou alterada por meio de um comitê executivo do Mercosul.

Para Motta Veiga, alterar a resolução ou negociar uma concessão não seria um grande obstáculo. Especialistas alertam que problemas políticos marcam o caminho para o livre comércio.

“As barreiras políticas na Argentina são altas”, disse Juan Cruz Díaz, diretor da consultoria política Cefeidas Group, de Buenos Aires. “Quanto capital político Bolsonaro está disposto a gastar?”

As tarifas de importação de cada país ou blocoAs tarifas de importação de cada país ou bloco para todos os produtos (preto), bens manufaturados (vermelho), equipamento de transporte (azul) e maquinário elétrico (verde). Fonte: Organização Mundial do Comércio

As tarifas de importação de cada país ou bloco para todos os produtos (preto), bens manufaturados (vermelho), equipamento de transporte (azul) e maquinário elétrico (verde). Fonte: Organização Mundial do Comércio (Gráfico/Bloomberg)

Fonte Oficial: Exame.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!