Pesquisa mostra a vontade dos executivos brasileiros em investir (e onde) – Exame

De acordo com relatório da Deloitte com representantes de 43% do PIB brasileiro, executivos estão otimistas com o governo Bolsonaro

Por Natália Flach, de EXAME

access_time 16 nov 2018, 16h12 – Publicado em 16 nov 2018, 16h10

São Paulo – O Brasil abriga realidades muito diferentes em um mesmo território, não à toa, as expectativas para o próximo ano também são bastante distintas, dependendo da região do país.

De acordo com uma pesquisa realizada pela Deloitte com executivos de 826 empresas de 32 segmentos econômicos, 56% dos entrevistados do Sudeste (exceto São Paulo) pretendem incentivar o treinamento de funcionários em 2019, contra a média brasileira de 49%.

Já 54% dos empresários do Nordeste desejam aumentar os investimentos em equipamentos, enquanto a prioridade para 58% dos executivos do Sul é o investimento em pesquisa e desenvolvimento.

Na contramão do restante do país estão 44% dos empresários do Norte e do Centro-Oeste que não devem capitalizar seus negócios no ano que vem.

Essas realidades distintas também aparecem no que os entrevistados consideram como prioridade na agenda do próximo governo. Para 72% dos empresários do Nordeste, a equipe de Jair Bolsonaro deve focar no combate à corrupção (contra 62% do Brasil), enquanto para 80% dos executivos do Sudeste o mais importante é o investimento em segurança pública, no que se refere a medidas de investimentos sociais.

Já na região Sul, o ajuste fiscal surge como a principal medida de impacto na gestão pública com 70% das respostas (contra 61% na média nacional). Por sua vez, nas regiões Norte e Centro-Oeste, a prioridade de Bolsonaro deve ser o estímulo à geração de empregos.

Analisando os dados nacionalmente, quase a totalidade dos entrevistados (97%) pretende realizar investimentos ou implementar ações que desenvolvam os seus negócios em 2019.

As respostas indicaram que 60% vão lançar produtos ou serviços e 56% devem adotar novas tecnologias. Além disso, 49% dos executivos devem incentivar o treinamento e a formação de funcionários.

Os entrevistados também se mostraram preocupados com as transformações disruptivas em curso no mercado, daí que 37% pretendem incrementar as frentes de pesquisa e desenvolvimento de produtos e/ou serviços e 30% devem substituir e/ou adquirir novas máquinas e equipamentos.

Nesse sentido, 69% acreditam que as vendas devem aumentar no ano que vem (outros 16% apostam em manter o patamar de 2018).

“A tendência é que o consumo deverá crescer em 2019, sem que isso implique em aumento da inflação, pois a indústria está operando abaixo da sua capacidade instalada”, explica Othon Almeida, sócio-líder de market development da Deloitte. “É importante que o Brasil tenha uma agenda que vise o longo prazo, sem viés político”, acrescenta.

O levantamento foi realizado entre 29 de outubro e 5 de novembro, ou seja, logo após as eleições, e ouviu executivos de empresas, cuja soma das receitas corresponde a 43% do Produto Interno Bruto do país em 2017.

Agenda 2019

Nacionalmente, o empresariado apontou que a equipe de Bolsonaro deve priorizar a aprovação, no Congresso Nacional, das reformas tributária (apontada por 93% dos entrevistados), previdenciária (90%) e política (80%). Na quarta posição, ficou a revisão das leis trabalhistas, indicada por 36%.

Já no que se refere à atividade econômica, o foco deve ser estimular a geração de empregos – fator preponderante para o aumento da renda e do consumo —, seguida por manter a inflação abaixo dos 5% ao ano (58%) e implementar políticas que ampliem a participação do Brasil no comércio exterior (53%).

Na gestão pública, os líderes empresariais esperam que o novo governo priorize o combate à corrupção (item assinalado por 62%) e o ajuste fiscal das contas públicas (61%).

Além disso, esperam que o governo estimule a geração de empregos – fator preponderante para o aumento da renda e do consumo. Na sequência, aparecem como foco: manter a inflação abaixo de 5% ao ano (58%) e implementar políticas que ampliem a participação do Brasil no comércio exterior (53%).

Fonte Oficial: Exame.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!