Semana Terá IPCA-15, Empregos, Arrecadação, Equipe Econômica e Atividade nos EUA – Investing.com

A semana será mais curta para os mercados financeiros, tanto no Brasil quanto nos Estados Unidos. Na terça-feira, o Dia da Consciência Negra em São Paulo suspenderá os negócios na bolsa brasileira e, na quinta-feira, os americanos comemorarão o Dia de Ação de Graças, feriado mais importante até que o Natal. Com muitos americanos emendando a sexta-feira e cruzando o país para visitar suas famílias e outros partindo para as compras de fim de ano na Black Friday, a sexta-feira deve ser um dia de menor volume de negócios nos EUA e no Brasil. Lembrando que, por aqui, muitos emendaram o feriado de quinta-feira, de Proclamação da República, com o da Consciência Negra, voltando na quarta-feira.

IPCA-15 deve mostrar deflação

Por aqui, o principal indicador será o IPCA-15, prévia do IPCA usado pelo Banco Central (BC) em suas metas de inflação, e que será divulgado na próxima sexta-feira pelo IBGE. O índice considera os preços coletados de 16 de um mês a 15 do mês de referência, e fecha 15 dias antes do IPCA do mês fechado, que serve de referência para o BC calibrar a taxa de juros básica da economia. Ao que tudo indica, o IPCA-15 confirmará uma tendência de inflação em queda neste mês também para o IPCA, após a definição do cenário eleitoral e da queda do .

O Banco Fator estima uma desaceleração da inflação de 0,58% em setembro para 0,15%, o que levaria a inflação em doze meses para 4,35%. O Bradesco (SA:) trabalha com 0,26% e a LCA, de 0,19%. “Esperamos a confirmação da trajetória benigna da inflação corrente, em linha com a descompressão observada no atacado”, diz o Bradesco.

Já a Rosenberg Associados estima alta de 0,30% para o IPCA-15. Em 12 meses, a inflação deve ficar relativamente estável, passando de 4,53% para 4,51%, estima a consultoria. Em relação à variação de novembro, a Rosenberg destaca o arrefecimento do grupo Transportes, reflexo da tendência de queda observada sobre os combustíveis e pela deflação esperada para o item passagem aérea. Na contramão, o grupo Alimentação de Bebidas deverá ficar mais pressionado por conta da elevação sofrida pelos itens in natura.

Emprego com carteira assinada

Outro dato importante será o volume de contratações com carteira assinada divulgados pelo Ministério do Trabalho no Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) e a arrecadação federal, ambos relativos a outubro e sem data definida.

O Bradesco espera que o Caged deve indicar contratação liquida de 40 mil empregados em outubro. Já o Banco Fator estima a criação de 69,89 mil empregos em outubro.

Arrecadação deve subir

A Receita Federal, em outubro, deve registrar uma arrecadação de 128,91 bilhões de reais, estima o Fator. Os destaques deste resultado seria a arrecadação de imposto de renda, responsável por 27% do montante do mês, previdência (26%) e Cofins (16%). Este resultado significaria uma alta de 6,4% em relação ao arrecadado no mesmo mês do ano anterior. Em relação a esta alta, destaca-se as altas de Imposto de importação e IPI importação, ambos sob influência da alta do dólar, e IRPJ, diz o banco.

A arrecadação atingiria 1446 bilhões, no acumulado em doze meses, alta de 9,6% sobre o acumulado em doze meses um ano atrás.

Já a Rosenberg projeta uma arrecadação de R$ 128 milhões em setembro, o que corresponde ao crescimento real acumulado no ano de 5,6%. Passada a paralisação de maio dos caminhoneiros e seus efeitos adversos sobre a atividade econômica, os dados da arrecadação federal se acomodam ao cenário de crescimento mais comedido projetado para os últimos meses do ano, diz a consultoria.

PIB da Alemanha e PMI da Europa e dos EUA

O destaque na agenda internacional será a divulgação dos dados finais do Produto Interno Bruto (PIB) da Alemanha do terceiro trimestre deste ano, na sexta-feira. A prévia divulgada nesta semana veio abaixo das expectativas e reiterou a expectativa de desaceleração da atividade na Europa, diz o Fator. Os Índice de Gerentes de Compras (PMI) dos Estados Unidos e da União Europeia de novembro também serão divulgados. “Esperamos que os índices PMI continuem mostrando dinâmica mais favorável dos EUA em relação aos seus pares”, diz o Bradesco. Adicionalmente, serão divulgadas informações do setor de construção civil americano e de confiança.

Mercado repercutirá nomes do BC e do Tesouro

A reforma da previdência, o principal foco do mercado, foi prometida e negada diversas vezes durante a semana passada, lembra o Banco Fator. Apesar de os discursos de Paulo Guedes e do presidente eleito Jair Bolsonaro colocarem o tema da reforma como de extrema importância, a expectativa de qualquer avanço neste sentido ainda este ano foi esfriando com o passar da semana.

Assim os destaques do noticiário político foram novos anúncios de nomes que formarão o governo. Na quinta-feira, feriado de 15 de Novembro, a equipe de Paulo Guedes anunciou o economista Roberto Campos Neto para a presidência do Banco Central e informou que Mansueto Almeida ficará no Tesouro Nacional.

Para o Banco Fator, a indicação de Campos Neto agradou os investidores por ser um nome do mercado financeiro, atualmente responsável pela tesouraria do banco Santander (SA:), e pelo entendimento que ele dará continuidade ao trabalho de Ilan Goldfajn. A permanência dos membros da atual diretoria para um período de transição, entre eles do diretor de Política Econômica do BC, Carlos Viana de Carvalho, e a perspectiva de aprovação da independência do Banco Central reforçaram o otimismo, acredita o Fator. “Esta indicação é mais um marco para o novo governo dito liberal, ao menos em relação à economia”, afirma o banco em relatório.

O Fator lembra que Campos Neto carrega o peso do nome de seu avô, antigo ministro do Planejamento do governo do general Castello Branco e importante ícone do liberalismo econômico brasileiro, “apesar de ter criado o BNDE e de ter trabalhado diretamente com Juscelino Kubitschek.

Falas mais suaves do BC americano

Entre quinta e sexta-feira, Robert Kaplan (Federal Reserve de Dallas), Richard Clarida (Board do Fed) e Raphael Bostic (Fed de Atlanta) falaram de modo mais “dove” (suave) do que as manifestações dos colegas sobre os juros nos Estados Unidos, avalia o Banco Fator. “O tom recente dos membros do Comitê de Mercado Aberto (Fomc) do Fed tem sido mais cauteloso e preocupado com a inflação de ativos e não com a baixa inflação de preços ao consumidor”, diz o banco. O fator cita Clarida, que disse que a taxa de juros se aproxima da faixa de 2,50% a 3,50% ao ano, considerada neutra (que nem incentiva o crescimento, nem o reduz para controlar a inflação) pelo Fomc. “Se assim é, a estabilização da Fed Funds Rate (juro básico americano) está próxima,”, avalia o Fator.

Ibovespa fechou semana em alta

A bolsa brasileira encerrou a semana em alta, fechando sexta-feira perto da máxima do dia, com apenas 6 papéis em baixa e puxada para cima pelas ações da Petrobras (SA:), da Vale (SA:) e do setor de bancos, diz o BB Investimentos. Ajudou também o ajuste do vencimento de opções sobre ações. O fechou aos 88.515 pontos, em alta de +2,96%, acumulando +3,36% na semana, +1,25% em novembro, +15,85% no ano e +22,07% em 12 meses.

O giro financeiro preliminar da Bovespa foi de R$ 15,7 bilhões, sendo R$ 15,1 bilhões no mercado à vista. No dia 12, houve retirada líquida de capital estrangeiro de R$ 30,271 milhões da bolsa. Com isso, o saldo negativo em novembro dos estrangeiros subiu para R$ 1,274 bilhão. Em 2018, o saldo de capital estrangeiro é deficitário em R$ 7,184 bilhões.

Dólar cai para R$ 3,74 para venda e juros recuam

O dólar comercial acompanhou o comportamento do mercado internacional na sexta-feira e fechou cotado a R$ 3,7380 para venda, em baixa de -1,19%, zerando sua variação na semana, mas acumulando altas de 0,27% no mês, de 12,97% no ano e de 14,00% em 12 meses, segundo o BB Investimentos. O risco medido pelo Credit Default Swap (CDS, espécie de seguro contra calote) do Brasil de 5 anos cedeu para 2,05 pontos percentuais acima da taxa de juros americana, versus 2,05 da sessão anterior.

Os juros no mercado futuro também recuaram, especialmente os mais longos, acompanhando o melhor humor do mercado com as indicações do futuro governo eleito e seguindo o arrefecimento do câmbio, diz o BB (SA:).

Fonte Oficial: Investing.com.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!