AGU fará “manual” com propostas para melhorar segurança jurídica

A Advocacia-Geral da União (AGU) está concluindo um estudo para a elaboração de um “manual de boas práticas” para melhorar a segurança jurídica do país para criar um ambiente mais favorável à atração de investimentos, inclusive estrangeiros, segundo a ministra da AGU, Grace Mendonça. A ministra participou hoje (12) do Seminário CEBRI-BNDES Diálogos para o Amanhã, no auditório do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

“Nós estamos concluindo um estudo onde estamos conseguindo examinar o estoque regulatório do país e estamos trabalhando em premissas, alguns eixos, pilares centrais para a construção de um manual de boas práticas regulatórias”, disse. “É preciso analisar as normas que estejam em sobreposição, em duplicidade, aquelas que de algum modo precisam ser modernizadas, realinhadas. É uma colaboração que a AGU vai entregar não somente para as agências reguladoras, mas também para os ministérios”.

A ministra da AGU defendeu uma maior integração entre os Três Poderes de modo a aumentar a segurança jurídica do que chamou de “ambiente de negócios” no país.

Leis e Regras

Para Grace Mendonça é preciso evitar o que chamou de inflação legislativa: leis e regras demais em relação à linha do direito, o que acaba por tumultuar o ambiente de negócios. “O investidor acaba por ficar sem rumo, a não compreender os rumos que o país está seguindo”.

A avaliação da ministra é que a produção normativa no país é muito intensa nos múltiplos setores. “Daí a importância de termos uma atuação mais equilibrada, em especial com o alinhamento em torno das regras que norteiam as atividades também em âmbito internacional”.

Segundo Grace Mendonça, o manual de boas práticas que será entregue pela AGU tem como ideia central contribuir para que exista a visão de que não é preciso produzir muitas normas. “Podemos produzir uma norma eficiente, de resultado, propicia e adequada em especial para o investidor, seja ele nacional ou estrangeiro, através uma linguagem simples”.

Para a ministra, não é preciso produzir muitas normas e criar um ambiente tumultuado de modo a permitir que o investidor não possa se situar e compreender os rumos que o país está querendo seguir. “A ideia central desse manual é justamente estabelecer padrões, [criar] procedimentos que possam nortear tanto a produção ou criação de uma norma nova, como a revisão daquelas existentes ou mesmo a revogação”.

Judicialização

O entendimento da ministra é de que é preciso evitar expressões muito abertas e que acabam gerando um nível de interpretação muito propício à judicialização. “Esse manual vai trazer um pouco do que nós já temos no cenário internacional, obviamente analisado à luz da nossa realidade, para que possa servir de sugestão para que tenhamos um padrão que evite expressões muito abertas nas atividades de produção e revogação [de normas e regulamentações]”.

Presente ao seminário, o presidente do BNDES, Dyogo Oliveira, também conversou com os jornalistas e admitiu a existência de problemas de segurança jurídica no país. “O grande problema hoje [no país] é a segurança jurídica para quem quer investir. Não vão deixar de existir conflitos, mas é preciso maior rapidez no encontro de soluções, resolver de maneira mais rápida. Essa insegurança jurídica existente hoje é um dos temas mais relevantes a ser resolvido”.

Edição: Fábio Massalli

Fonte Oficial: EBC.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!