Brasil deve ter queda na produção de aves e suínos em 2018, diz ABPA

A produção de carne de frango no país deve encerrar o ano com volume 1,7% abaixo do ano passado, somando 12,82 milhões de toneladas ante 13,05 milhões de toneladas em 2017. Desse total, 4,32 milhões foram vendidos ao exterior, movimento 5,1% inferior ao ano passado. Inversamente às exportações, o consumo interno vai fechar o ano com leve alta, de 0,63%, com 8,73 milhões de toneladas, o equivalente a 41,8 quilos por pessoa.

Os dados foram anunciados nesta quinta-feira (13) pela Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA). O levantamento indica ainda retração de 3,2% na produção de carne suína, que atingiu 3,63 milhões de toneladas ante 3,75 milhões de toneladas no ano anterior. Neste segmento também caiu em 8% o volume das exportações com 640 mil toneladas. Em 2017, foram 697 mil toneladas. Houve queda ainda, de 2,6%, no mercado doméstico com o consumo de 3,07 milhões de unidades, ou 14,35 quilos por pessoa.

O presidente da ABPA, Francisco Turra, afirmou que o setor foi afetado pelo tabelamento de frete que encareceu em 35%, na média, e pela greve dos caminhoneiros, que geraram perdas avaliadas em R$ 1,5 bilhão, além de ter enfrentado custos mais elevados dos insumos (milho com alta de 50% e farelo de soja, a custo de 40% mais).

Pelas projeções da ABPA, no entanto, a produção deve se recuperar no próximo ano, com previsão de crescimento para a carne de frango de 1,39% em 2019, com um total 13,2 milhões de toneladas. O aumento esperado em relação a carne suína é de algo entre 2% a 3%, podendo alcançar 3,7 milhões de toneladas.

De outro lado, a produção de ovos aumentou e deve fechar 2018 com alta de 10%, passando de 39,9 bilhões de unidades para 44,2 bilhões de unidades. O destaque foi o desempenho das exportações, que vão superar as 10,8 mil toneladas, quantidade 80% acima do registrado no ano passado. A ABPA calcula que isso equivale ao consumo per capita recorde de 212 unidades, ou 10,4% mais do que em 2017.

Exportações

De janeiro a novembro, o Brasil exportou 3,748 milhões de toneladas de carne de frango, com recuo de 6,3%, obtendo uma receita de US$ 5,99 bilhões no período, o que é 10,8% abaixo da alcançada em 2017. No mesmo período, as vendas externas de carne suína somaram 589,2 mil toneladas em 2018, com uma baixa de 8,4% sobre o mesmo período do ano passado o ano. O volume financeiro atingiu US$ 1,105 bilhão, o que é 26,8% menor do que em igual período de 2017.

Destoando desses dois casos, o país quase dobrou as vendas de ovos, que chegaram a 9,991 mil toneladas, 83,9% mais do o registrado no acumulado do ano até novembro. Em valores, esses negócios alcançaram US$ 15,1 milhões, receita que foi 101,9% superior ao mesmo período do ano passado.

Mercado externo

Turra, porém, acredita em recuperação, tomando por base alguns fatores positivos como a habilitação de 26 novas plantas na área do frango destinadas a embarques para o México, além da abertura do mercado cambojano.

O dirigente também vê chances de aumentarem as vendas de carne suína para a China, que enfrenta escassez na produção local por ter sido afetado pela peste suína africana. Segundo a ABPA, dados apurados Consultoria Asia Agro Aliance apontam que este país deve ter uma perda de 4 milhões de toneladas do produto.

A entidade também informou que após 11 meses de negociação com a Rússia, o Brasil conseguiu colocar, novamente, o produto nesse mercado, que é o principal consumidor dos produtos suinícolas. No ano passado de janeiro a novembro, os russos compraram 250,9 mil toneladas do Brasil.

De acordo com o diretor-executivo da ABPA, Ricardo Santin, ainda não dá para se prever o desempenho das exportações, em 2019. No entanto, ele espera pela solução de alguns embaraços para a ampliação das vendas externas. Entre as questões está definição de um acordo com a China das sobretaxas provisórias de direito antidumping aplicados pelo país asiático.

Edição: Davi Oliveira

Fonte Oficial: EBC.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!