CMN facilita concorrência no setor de cartões de crédito

A partir do fim de janeiro, os lojistas deixarão de ser obrigados a fazer operações que antecipam o recebimento do dinheiro de vendas por cartões de crédito com uma única instituição financeira. O Conselho Monetário Nacional (CMN) liberalizou o mercado de antecipação de recebíveis, reduzindo a exclusividade de contratação, conhecida como “trava bancária”.

Atualmente, o lojista que fecha uma venda por cartão de crédito pode pedir a antecipação dos recursos (recebíveis) apenas à instituição financeira ligada à credenciadora da máquina do cartão. Segundo o diretor de Regulação do Banco Central (BC), Otavio Damaso, isso prejudica a concorrência no setor de cartões de crédito porque a “trava bancária” obriga o comerciante a realizar futuras operações de recebíveis apenas com uma instituição.

“Se o lojista tem uma operação de R$ 100 e uma agenda [previsão de receber] de R$ 1 mil, toda a agenda de R$ 1 mil fica travada com uma instituição financeira”, explicou Damaso. Pela resolução aprovada hoje, que entrará em vigor em 31 de janeiro, a trava recairá apenas sobre a quantia antecipada, R$ 100 no caso. O lojista poderá adiantar o recebimento dos R$ 900 restantes tanto com a credenciadora da máquina de cartões como com outras instituições financeiras.

Segundo o diretor do BC, o Conselho Monetário pretende aumentar a concorrência entre as credenciadoras e os bancos. “Um dos pontos da resolução é dar maior eficiência. Ela limita a trava bancária ao que é efetivamente devido à instituição. Fora da trava, o lojista pode fazer a antecipação com a credenciadora ou com outra instituição”, disse Damaso.

Transição

As mudanças no setor de cartões, explicou o diretor do BC, fazem parte de um cronograma de transição. Segundo ele, no primeiro semestre de 2019, a equipe econômica pretende implementar a regulação definitiva para o setor de cartões, na qual o lojista terá de registrar no mercado financeiro os pedidos para antecipar o recebimento das vendas por cartões de crédito e de débito.

“Temos uma consulta pública em andamento, mas a implementação dessa consulta demora mais. O que fazemos agora é uma regra já alinhada ao modelo da consulta pública, uma regra de transição”, justificou Damaso. Ele assegurou que a nova regulação reduzirá o custo para os comerciantes e os consumidores e disse que a redução da trava bancária foi necessária para que o mercado de antecipação de recebíveis continue a funcionar nesse período de transição.

Edição: Fábio Massalli

Fonte Oficial: EBC.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!