Café: Com Alta Produção, Preços Podem se Manter em Menor Patamar – Investing.com

O Brasil deve colher uma boa safra em 2019/20, depois do recorde da produção na temporada 2018/19, de acordo com informações do Cepea. Mesmo com a bienalidade negativa do arábica, o clima tem auxiliado o desenvolvimento das plantas, o que pode aumentar a produtividade. Assim, os valores interno e externo do arábica podem seguir em patamares abaixo dos observados em outros anos de bienalidade negativa. Quanto ao , a produção também deve ser elevada em 2019/20, devido às chuvas volumosas a partir de agosto de 2018, que favoreceram a recuperação dos cafezais após a colheita.

ETANOL: DEMANDA PODE AUMENTAR COM RETOMADA DE CRESCIMENTO DA ECONOMIA

Em 2019, a esperada retomada do crescimento da economia brasileira (projeções do Banco Central indicam alta de 2,55% do PIB) deve elevar a renda das famílias, o que pode aquecer as vendas de carros e, consequentemente, aumentar a demanda por combustíveis. Assim, de acordo com pesquisadores do Cepea, os etanóis devem continuar a ter participação expressiva nas vendas de combustíveis no Brasil. Quanto à oferta, analistas projetam moagem e volume de Açúcar Total Recuperável (ATR) na safra 2019/20 do Centro-Sul próximos dos verificados em 2018/19, em andamento. Por outro lado, a alocação da cana para e etanol deve ser reajustada na temporada 2019/20 frente à registrada na anterior.

TRIGO: CLIMA AFETA QUALIDADE EM 2018

No início de 2018, o mercado de registrava menor produção, grande volume importado e preços em alta, especialmente no Paraná e em São Paulo, conforme indicam pesquisadores do Cepea, atraindo produtores e elevando a área. Porém, com condições climáticas desfavoráveis, a qualidade do cereal desta temporada foi prejudicada. Quanto aos preços, no primeiro semestre do ano passado, período de entressafra argentina, a forte alta do encareceu as importações de trigo e sustentou os valores no Brasil, de acordo com dados do Cepea. Já no segundo semestre, a oferta interna e os bons estoques das indústrias fizeram com que os preços caíssem, movimento que persistiu até outubro. De outubro a dezembro, compradores, preocupados com a possibilidade de novas altas nas cotações no início de 2019, estiveram ativos, sustentando os valores, principalmente no último mês do ano.

ARROZ: 2018 REGISTRA CONSUMO ENFRAQUECIDO E QUEDA NAS COTAÇÕES

A cadeia produtiva de arroz voltou a sentir a pressão sobre os valores em 2018, resultado especialmente das dificuldades de alavancar o consumo interno. De acordo com dados do Cepea, os preços em queda no primeiro semestre, devido ao período de colheita e à maior negociação do cereal, pressionaram a média anual, que fechou em R$ 39,79/sc de 50 kg (Indicador do ESALQ/Senar-RS), em termos nominais, baixa de 2% frente à média de 2017 (R$ 40,60/sc de 50 kg). As baixas foram mais expressivas no primeiro trimestre do ano, diante da expectativa da maior disponibilidade da safra 2017/18.

Fonte Oficial: Investing.com.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!