Justiça condena concessionária a pagar R$ 8 mil por corte de luz ilegal – Isto É

O fornecimento de energia elétrica é um serviço público essencial que só pode ser interrompido em situação de emergência ou após aviso prévio. Este foi o entendimento da Primeira Câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça de Mato Grosso para negar um recurso da concessionária Energisa contra sentença que condenou a empresa a pagar indenização de R$ 8 mil, por danos morais, a uma cliente que teve a eletricidade de sua residência cortada por cinco dias.

De acordo com os autos, a consumidora teve o fornecimento de energia suspenso no dia 8 de janeiro de 2017 e, após entrar em contato com a concessionária por telefone, não recebeu nenhuma explicação para o corte. Com todas as contas de luz pagas regularmente, a cliente procurou o Procon e conseguiu religar a energia de sua casa no dia 13 de janeiro.

Em primeira instância, a Primeira Vara Cível de Rondonópolis – cidade a 212 km de Cuiabá – condenou a Energisa a pagar R$ 8 mil para a cliente. Inconformada, a concessionária recorreu e alegou que não existiam provas da má-prestação do serviço, argumentou pela ausência de elementos e responsabilidade pelo dano moral e, por fim, solicitou a redução do valor da indenização ‘em respeito aos princípios da proporcionalidade e da razoabilidade’.

Todos os pedidos foram negados pela Primeira Câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça.

“Não há dúvidas que a apelante/ré deixou de prestar o serviço de fornecimento de energia elétrica de forma adequada, sendo totalmente injustificada a falta de fornecimento de energia elétrica durante tantos dias”, afirmou o relator do caso, desembargador Sebastião de Moraes Filho.

Além de indicar se tratar de um serviço essencial, o magistrado pontuou que o Código de Defesa do Consumidor determina que a responsabilidade do fornecedor de serviços é objetiva e, portanto, independe de culpa.

Na decisão, o relator também aumentou os honorários para 15% sobre o valor da condenação.

A reportagem fez contato com a Energisa. O espaço está aberto para manifestação. Nos autos, a concessionária alegou que não existiam provas da má prestação do serviço, argumentou pela ausência de elementos e responsabilidade pelo dano moral e, por fim, solicitou a redução do valor da indenização ‘em respeito aos princípios da proporcionalidade e da razoabilidade’.

O post Justiça condena concessionária a pagar R$ 8 mil por corte de luz ilegal apareceu primeiro em ISTOÉ DINHEIRO.

Fonte Oficial: Isto É.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!