Paralisação nos Estados Unidos completa 17 dias e prejudica economia – Exame

Governo Trump, que não previa uma paralisação de longo prazo, reconheceu apenas nesta semana a amplitude do impacto

Por Estadão Conteúdo

access_time 7 jan 2019, 09h17

Washington – Com a paralisação parcial do governo dos Estados Unidos entrando no 17.º dia, o presidente Donald Trump foi a Camp David neste domingo, 6, para se reunir com sua equipe de governo e tratar da segurança da fronteira e outros tópicos. Pela primeira vez, assessores da Casa Branca reconheceram à imprensa americana que a série de interrupções em agências federais ameaça prejudicar a economia.

Economistas e altos funcionários da Casa Branca disseram no domingo ao Washington Post que se a paralisação se estender até fevereiro ameaça congelar o vale-alimentação de 38 milhões de americanos de baixa renda e inviabilizar o pagamento de US$ 140 bilhões em restituições de impostos.

O governo Trump, que não previa uma paralisação de longo prazo, reconheceu apenas nesta semana a amplitude do impacto. As autoridades disseram que estavam concentradas agora em entender o alcance das consequências.

Milhares de programas federais são afetados pela paralisação, mas poucos causam tanto prejuízo à população quanto o sistema tributário e o Programa de Assistência Suplementar à Nutrição do Departamento de Agricultura (USDA, na sigla em inglês), responsável pela distribuição de “cupons de alimentação”, vales dados à população de baixa renda. A paralisação parcial cortou novos recursos para o Departamento do Tesouro e para o USDA.

Os cortes potenciais nos cupons de alimentos e a suspensão das restituições de impostos ilustram as consequências combinadas de deixar grandes partes do governo federal sem financiamento – um cenário que se tornou mais provável na sexta-feira, quando Trump disse que deixaria o governo fechado por “meses ou até anos”.

A reunião deste domingo ocorreu um dia depois que o vice-presidente Mike Pence, altos funcionários da Casa Branca e assessores do Congresso terminaram uma reunião sem acordo para o impasse. Pence voltou a se reunir no domingo com congressistas democratas e com assessores da Casa Branca para tentar encontrar uma solução para a crise, mas sem resultado.

Trump exige a liberação pelo Congresso de US$ 5,6 bilhões para construir um muro ao longo da fronteira com o México, mas os democratas que controlam a Câmara dos Deputados aprovaram nesta semana um projeto de lei orçamentária para reabrir o governo sem fornecer financiamento para o muro.

Trump diz que não assinará a medida até receber o dinheiro. Com os dois lados mantendo suas posições, um quarto do governo federal está paralisado há duas semanas.

Falando a repórteres em frente à Casa Branca no domingo, Trump novamente levantou a possibilidade de declarar uma emergência nacional e disse que pode fazê-lo “dependendo do que acontecer nos próximos dias”. Em uma tentativa de forçar os democratas a um acordo, Trump disse que está considerando declarar uma emergência para começar a construção do muro na fronteira com o México. Especialistas afirmaram à imprensa americana que há dúvidas sobre a legalidade da manobra.

A maior paralisação do governo americano até hoje durou 21 dias, entre 5 de dezembro de 1995 e 6 de janeiro de 1996. (Com agências internacionais). As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Fonte Oficial: Exame.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!