Negociações continuam entre EUA e China pelo 2º dia, diz fonte – Exame

As reuniões comerciais em Pequim são as primeiras conversas presenciais desde que Trump e Xi Jinping estabelecendo uma trégua de 90 dias

Por Reuters

access_time 8 jan 2019, 13h38 – Publicado em 8 jan 2019, 12h32

Pequim – O segundo dias de negociações entre a China e os Estados Unidos em Pequim se estendeu até a noite desta terça-feira (no horário local), disse uma fonte com conhecimento sobre as reuniões, enquanto as duas maiores economias do mundo tentam resolver uma disputa comercial acirrada.

A fonte confirmou à Reuters que as negociações estavam “em andamento”, mas poucos outros detalhes foram dados.

O presidente dos EUA, Donald Trump, falando em uma publicação no Twitter em Washington nesta terça-feira, reiterou sua declaração recente de que as conversas com a China estão indo bem, mas não deu outros detalhes.

As reuniões comerciais em Pequim são as primeiras conversas presenciais desde que Trump e o presidente chinês, Xi Jinping, concordaram em dezembro com uma trégua de 90 dias em uma guerra comercial que tem agitado os mercados financeiros globais.

Na segunda-feira, o secretário do Comércio dos EUA, Wilbur Ross, disse que Pequim e Washington devem chegar a um acordo comercial com o qual “podemos conviver”.

Ross disse que as questões comerciais imediatas seriam as mais fáceis de se resolver, enquanto as questões de fiscalização e reformas estruturais, como direitos de propriedade intelectual e acesso aos mercados, seriam as mais desafiadoras.

A equipe dos EUA, liderada pelo vice-representante do Comércio dos EUA, Jeffrey Gerrish, inclui secretários dos Departamentos de Agricultura, Comércio, Energia e Tesouro e autoridades de tais órgãos e da Casa Branca.

Mais cedo nesta terça-feira, a China aprovou a importação de cinco transgênicos geneticamente modificados, uma medida considerada um “gesto de boa vontade” por parte do setor agrícola norte-americano, que pode impulsionar as compras de grãos no exterior e aliviar a pressão dos Estados Unidos para a China abrir seus mercados para mais produtos agrícolas.

Fonte Oficial: Exame.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!