Cobre: Euforia Imediata é Improvável, mas o Cenário Pode Mudar – Investing.com

Existe salvação para os preços do cobre no ano-novo? A resposta curta parece ser “não muita”. Trata-se, no entanto, de uma questão que vale a pena ser feita, em vista da enorme importância da commodity no mundo.

O metal vermelho, que já foi usado regularmente como “termômetro” da economia mundial em razão da sua presença em tudo, desde cabos de telefone até turbinas de força – ao ponto de ser chamado de Dr. Cobre –, está cada vez mais se parecendo com o “filho adotivo esquecido” das commodities.

Cobre Gráfico Semanal

Desde o início de 2019, o ativo ganhou apenas 1%, fechando pregões em alta e em baixa com praticamente a mesma proporção.

Um call de venda dos analistas técnicos

No fechamento da terça-feira, o contrato de cobre norte-americano com na divisão de COMEX da Bolsa Mercantil de Nova York fechou a US$ 2,6560 por libra (lb), sendo negociado próximo à média móvel de 20 dias e bem abaixo do alvo dos comprados no metal, a US$ 3 por lb.

Analistas técnicos do Investing.com indicam “Venda” desde a média móvel de 50 dias, a US$ 2,725, até a média móvel de 200 dias, a US$ 2,85.

Por outro lado, o , outra importante commodity industrial do mundo, saltou quase 20% desde as mínimas da véspera de Natal, deixando para trás a importante marca altista de US$ 50 por barril já na primeira semana do ano-novo.

Goldman também vê queda no curto prazo

Uma das principais instituições de previsão financeira de Wall Street, o Goldman Sachs vê os a US$ 6.100 por tonelada métrica em três meses e US$ 6.400 em seis, uma queda em relação às previsões anteriores de US$ 6.500 e US$ 7.000, segundo um relatório da Bloomberg nesta semana. O alvo de 12 meses foi mantido em US$ 7.000, segundo a mesma instituição.

O Goldman citou a “notável desaceleração” da economia chinesa, mas a expectativa é que as autoridades de Pequim incentivem a expansão no segundo semestre, a qual pode reanimar os preços tanto do cobre quanto do , outro importante metal comum.

Em 2018, os futuros de cobre caíram quase 20%, a primeira desvalorização anual em três anos. De fato, praticamente todos os metais comuns negociados em Londres e Nova York terminaram o ano com perdas de dois dígitos, apesar de a China, principal compradora de commodities, interromper sua batalha tarifária com os EUA em 1 de dezembro, em meio a expectativas de um iminente acordo entre as duas superpotências econômicas.

Tratativas comerciais não ajudaram o cobre

Mesmo com a retomada das negociações de alto nível entre EUA e China nesta semana, o cobre não consegue subir, apesar de os Estados Unidos serem um dos maiores fornecedores de sucata de cobre para o país asiático.

O fraco price action atual se deve parcialmente às manchetes do fim do ano passado sobre o excesso de produção que impactou o sentimento do mercado,como a alta de 7% na produção, divulgada por um importante produtor de cobre do Chile em novembro, atingindo 540.720 toneladas, seu maior nível desde 2005, graças a teores mais elevados de e processos mais eficientes.

Mas dados compilados pela Fitch Solutions, unidade de previsão do grupo de classificação de crédito Fitch, mostram que estatísticas de oferta e demanda do cobre podem melhorar nos próximos dois anos.

Os próximos dois anos podem ver uma aceleração da demanda e um declínio da produção

A agência de classificação prevê que a demanda mundial do cobre aumentará de 23,6 milhões de toneladas em 2018 para 29,8 milhões até 2027, um crescimento anual de 2,6%.

Apesar da enorme produção chilena em novembro, a agência afirma que a expectativa era que os balanços de cobre refinado tivessem registrado um déficit de 247.000 toneladas em 2018, com uma provável redução da oferta até 2021.

O aumento da demanda será impulsionado pela crescente produção de veículos elétricos (VE) e por uma perspectiva de crescimento positivo da economia global. Um ônibus elétrico contém 300 kg de cobre e nove toneladas por megawatt de energia eólica.

Com base na análise da Fitch Solutions, a demanda de cobre refinado superará a produção e haverá déficit de mercado por pelo menos alguns anos. A Fitch especificamente prevê que o equilíbrio mundial de cobre refinado registre um déficit de 247.000 toneladas em 2018, com abastecimento insuficiente até 2021.

Depois de 2021, pode haver um pico de oferta novamente

Além disso, a agência espera que haja uma diminuição do déficit mundial de cobre e que o excesso de oferta retorne à medida que os produtores do metal investem em novos projetos. A previsão da agência é que a China impulsionará o crescimento da produção mundial de cobre, elevando a produção de 8,8 mnt, em 2018, para 11,4 mnt até 2027, com uma média de crescimento anual de 3,1%.

O Chile também não vai querer perder preços possivelmente mais fortes para o cobre nos próximos dois anos.

A expectativa é que a Índia surja como uma nova estrela no cenário mundial de produção de cobre, apesar do fechamento da fundição de cobre Sterlite, da Vedanta Resources (NS:), por questões ambientais. A Fitch Solutions prevê que a produção indiana de cobre refinado aumentará de 925.000 toneladas em 2018 para 1,8 milhões até 2027, com uma média de crescimento anual de 7,3%.

O grupo afirma ainda que a oferta norte-americana também excederá a demanda, apesar de o pacote de infraestrutura prometido pelo presidente dos EUA, Donald Trump, ter ficado abaixo das expectativas do mercado.

Fonte Oficial: Investing.com.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!