Retrospectiva 2018 – Café: Produção Recorde Pressiona Valores de Arábica e Robusta – Investing.com

O ano de 2018 foi marcado pelos menores preços dos cafés arábica e no mercado brasileiro, de acordo com dados do Cepea (Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada), da Esalq/USP. A pressão veio da produção recorde das duas variedades na safra 2018/19 – que somou 61,7 milhões de sacas, segundo a Conab (dezembro/18) – e da consequente recuperação dos estoques globais do grão. Além disso, as oscilações cambiais no segundo semestre de 2018 e as boas expectativas quanto à temporada 2019/20 também influenciaram os valores domésticos.

Com os preços enfraquecidos ao longo do ano, produtores de arábica e de robusta consultados pelo Cepea se mantiveram mais retraídos do mercado, mantendo a liquidez interna mais baixa. Negócios foram fechados especialmente em períodos de alta dos preços internacionais ou do , com destaque para o mês de outubro.

ARÁBICA – Com as expectativas positivas quanto à colheita da safra 2018/19, os preços do arábica recuaram nos primeiros meses do ano, esboçando leve recuperação entre maio e junho, devido ao clima desfavorável e à greve dos caminhoneiros, que atrapalharam os trabalhos de campo. Já em julho, com o retorno da intensificação dos trabalhos, as cotações voltaram a cair com mais força, segundo indicam os dados do Cepea.

Especialmente entre agosto e setembro, além da pressão da elevada oferta de em 2018/19, as cotações também foram influenciadas por questões cambiais e pela abertura das primeiras flores da temporada 2019/20. No geral, as boas chuvas no segundo semestre do ano auxiliaram no desenvolvimento da safra 2019/20 – até dezembro, as lavouras apresentavam um bom pegamento dos chumbinhos.

Com a forte queda nos preços no início do segundo semestre, a saca do café arábica chegou a ser negociada abaixo dos R$ 410,00 em setembro. Naquele mês, o Indicador CEPEA/ESALQ do arábica tipo 6 bebida dura para melhor, posto em São Paulo, teve média real de R$ 411,72/saca de 60 kg, a menor desde janeiro de 2014 (os valores foram deflacionados pelo IGP-DI de novembro/18). No entanto, em outubro, os preços nacionais e internacionais tiveram acentuada elevação. Assim, agentes se animaram e retornaram ao mercado, e um bom volume de café foi negociado no mês, tanto no mercado spot quanto para contratos – neste caso, a saca para entrega em setembro/19 chegou a negociada próxima dos R$ 500.

Na parcial da safra 2018/19 (do início de julho/18 a dezembro/18), a média do Indicador do arábica está em R$ 430,15/saca, queda de 12,7% em relação à do mesmo período da temporada 2017/18, em termos reais.

ROBUSTA – O clima seguiu favorável ao robusta, auxiliando na produção e na qualidade em 2018/19, tanto no Espírito Santo quanto em Rondônia. As chuvas mais volumosas em 2018 também aumentaram o potencial produtivo da temporada 2019/20, resultando em mais um ano de queda das cotações da variedade.

A partir de novembro, os valores também foram influenciados pela colheita da safra 2018/19 no Vietnã, maior produtor mundial de robusta. Segundo relatório do USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos) de novembro/18, o país asiático deve colher 30,4 milhões de sacas nesta temporada, avanço de 3,7% em relação à de 2017/18. Até novembro, cerca de 45% da safra vietnamita havia sido colhida, sendo que a expectativa é de que a temporada seja praticamente finalizada em dezembro, segundo agências internacionais de notícias.

A menor média mensal de 2018 do Indicador CEPEA/ESALQ do robusta tipo 6 peneira 13 acima, a retirar no Espírito Santo, foi verificada em dezembro, de R$ 309,44/sacas de 60 kg – foi, também, a mais baixa desde junho de 2014. Na parcial da safra 2018/19 (de julho/18 a dezembro/18), a média do Indicador do robusta foi de R$ 324,26/sc, queda de 23,6% frente ao mesmo período da temporada anterior.

EXPORTAÇÕES – Um dos grandes destaques de 2018 foi a recuperação das exportações brasileiras, que foram impulsionadas pela produção recorde em 2018/19. Segundo o Cecafé (Conselho de Exportadores de Café), na parcial desta safra (de julho/18 a novembro/18), os embarques totais (considerando-se grão verde, torrado moído e solúvel) somaram 16,7 milhões de sacas e os de café verde (arábica e robusta), 15,1 milhões, avanços de 31% e 33%, respectivamente, em relação ao mesmo período da temporada anterior (2017/18). Em outubro, especificamente, o Brasil exportou 3,9 milhões de sacas de café, um recorde mensal, tomando-se como base toda a série histórica do Cecafé, iniciada em 1990.

Quanto à receita, somou US$ 2,2 bilhões nos cinco primeiros meses da temporada, elevação de apenas 7,6% frente ao mesmo período da safra passada, reflexo da desvalorização internacional do café. Já em Reais, com a valorização do dólar em 2018, o montante foi de R$ 8,8 bilhões, alta de 30,8% em relação ao mesmo período da temporada passada.

Considerando-se somente o volume de arábica, na parcial desta temporada, houve avanço de 18,5% em comparação ao mesmo período da safra anterior, com 13,3 milhões de sacas embarcadas. Para o robusta, os embarques somam 1,8 milhão de sacas de julho/18 a novembro/18, volume 14 vezes acima do observado na safra anterior (de julho/17 a novembro/17).

Fonte Oficial: Investing.com.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!