Fé contra violência em igreja do Bixiga – Isto É

Um conflito que envolvia Prefeitura, associações de moradores, o Conselho de Segurança do Bixiga, no centro de São Paulo, o Ministério Público e donos de bares da região fez como vítima um dos párocos da Igreja Nossa Senhora de Achiropita. Amanhã, às 19 horas, com curativos ainda no braço, o padre Antônio Bogaz será o centro de uma missa de apoio e solidariedade que a Arquidiocese de São Paulo organiza em sua homenagem.

Bogaz foi esfaqueado no braço pelo comerciante Edson Augusto da Silva, que teve a prisão temporária por tentativa de homicídio expedida no último dia 3 e está foragido. No dia 27 de dezembro, quando saía de um prédio que abriga ações comunitárias da igreja carregando caixas com presentes para voluntários, o padre foi abordado pelo comerciante, cujo bar fica ao lado da Achiropita. “Ele não disse nada”, lembra o pároco.

O ataque já foi esclarecido. Antes de pegar o facão e atentar contra o religioso, Silva viu seu comércio ser emparedado em uma ação da PM e da Secretaria de Coordenação das Subprefeituras. As suspeitas são de que o comerciante culpou o padre pela ação. “Ele era a pessoa mais exposta, porque a igreja fica no centro do bairro”, diz o promotor de Justiça Cesar Ricardo Martins.

Mas a igreja era só uma das diversas entidades que mantinham as conversas que precederam a fiscalização. A ação, que teve como reação a facada no padre, começou a ser planejada em 4 de dezembro, depois que moradores do Bixiga procuraram autoridades em busca de uma solução para um problema crescente na região: o aumento do barulho noturno e, com ele, do tráfico de drogas da área.

Tráfico

O presidente do Conselho de Segurança (Conseg) do Bixiga, Luciano Martins de Farias, relata que, desde meados do ano passado, rodas de samba passaram a impedir o trânsito no bairro. “Eles fecham a rua até depois das 22 horas”, afirma. Mas, quando essas festas acabavam, botecos que continuavam abertos e tinham música para fora atraíam o público. E, ali, traficantes também aproveitavam a cena.

O Conseg passou a reunir associações de moradores para tratar do tema, fornecendo informações ao Ministério Público, que já tinha inquérito para apurar a degradação do bairro, e a igreja também se envolveu.

Com sua famosa festa de rua, que rende receita para a Achiropita, a paróquia desenvolve uma série de ações sociais – atende mil pessoas por dia, em serviços que vão do apoio aos moradores de rua a creches e cuidados para idosos. “Passamos a atuar para conter o avanço do tráfico junto com o restante da comunidade”, diz o padre.

A mobilização deu resultado. “Fomos procurados e organizamos uma ação em conjunto com a PM, porque há presença de traficantes ali, e fiscalizamos os bares irregulares”, diz o secretário das Subprefeituras, Alexandre Modonezi. Na ação, cinco bares foram emparedados. O homem que atacou Bogaz vivia em uma pensão por ali. No bairro, a informação que circula é de que ele fugiu para a Bahia. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

O post Fé contra violência em igreja do Bixiga apareceu primeiro em ISTOÉ DINHEIRO.

Fonte Oficial: Isto É.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!