Bolsas da Europa fecham majoritariamente em alta, com Draghi e Brexit – Isto É

Os mercados acionários da Europa fecharam majoritariamente em alta o pregão desta terça-feira, 15, dia de expectativa pela votação do Brexit, prevista para ocorrer nesta tarde, e impulsionados próximo ao fim do pregão pela fala do presidente do Banco Central Europeu (BCE), Mario Draghi, que ressaltou a importância de incentivos à economia. Com isso, o índice Stoxx-600 registrou ganho de 0,35%, a 348,71 pontos.

Em discurso no Parlamento Europeu, Draghi afirmou que a economia da zona do euro tem se recuperado de forma constante, mas reconheceu que os recentes desenvolvimentos econômicos da região têm sido mais fracos do que o esperado e que as incertezas, principalmente as relacionadas a fatores globais, “continuam proeminentes e, portanto, não há espaço para complacência”. Entre elas, ele citou a desaceleração na China.

O presidente do BCE apontou, ainda, que uma quantidade significativa de estímulos à economia continua a ser necessária para apoiar o aumento das pressões internas sobre os preços e a evolução da inflação no médio prazo. De acordo com o dirigente, a orientação futura (“forward guidance”) da instituição, reforçada pelos reinvestimentos do “estoque considerável de ativos” que o banco central adquiriu, continua a fornecer o grau necessário de acomodação monetária para a convergência sustentada da inflação para a meta de inflação.

Com isso, na esteira da expectativa pela votação do acordo do Brexit proposto pelo governo britânico, esperada no fim desta tarde (horário de Brasília), o FTSE 100, de Londres, subiu 0,58%, a 6.895,02 pontos. Já o DAX, de Frankfurt, avançou 0,33%, para 10.891,79 pontos, enquanto o CAC 40, de Paris, registrou alta de 0,49%, para 4.786,17 pontos. Em Madri, o Ibex 35 subiu 0,36%, para 8.850,10 pontos, ao passo que em Lisboa o PSI 20 ganhou 1,05%, a 5.002,63 pontos.

Em Milão, por sua vez, o FTSE MIB caiu 0,03%, a 19.195,48 pontos, enquanto investidores acompanham informações de que o BCE deverá exigir que todos os bancos da zona do euro reduzam acentuadamente os empréstimos de liquidação duvidosa (non-performing loans, ou NPL) até 2026. Segundo fontes do Sole 24 Ore, que publicou a informação, a supervisão bancária da instituição enviou uma carta a bancos italianos em dezembro e impôs uma diminuição de NPLs dentro de sete anos.

Depois disso, Matteo Salvini, vice-primeiro-ministro da Itália, acusou o BCE de criar instabilidade no sistema financeiro da região e afirmou que mais transparência é necessária para acabar com qualquer suspeita de que as ações da instituição tenham motivação política. “Essa transparência é necessária para dissipar a dúvida de que o BCE está fazendo uso político dos poderes atribuídos a ele. Esse último jogo sujo da instituição pode custar à Itália 15 bilhões de euros”, afirmou Salvini, em comunicado.

Na Bolsa de Milão, as ações do setor financeiro foram pressionadas. O papel do Intesa Sanpaolo recuou 1,25%, enquanto o do Banco BPM caiu 4,13%.

O post Bolsas da Europa fecham majoritariamente em alta, com Draghi e Brexit apareceu primeiro em ISTOÉ DINHEIRO.

Fonte Oficial: Isto É.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!