Ministério de Minas e Energia nomeia secretário de Planejamento – Exame

Reive Barros presidia a Empresa de Pesquisa Energética e já foi diretor da Agência Nacional de Energia Elétrica

Por Anne Warth e Luci Ribeiro, no Estadão Conteúdo

access_time 17 jan 2019, 15h38

Brasília – O Ministério de Minas e Energia (MME) formalizou no Diário Oficial da União (DOU) a nomeação de Reive Barros dos Santos para o cargo de secretário de Planejamento e Desenvolvimento Energético da pasta.

Reive Barros, que presidia a Empresa de Pesquisa Energética (EPE), se reuniu com o ministro Bento Albuquerque na quarta-feira da semana passada, quando foi feito o convite para o novo posto. “Tive uma reunião com o ministro agora à tarde e aceitei”, disse ele ao Broadcast na ocasião.

Antes de assumir a EPE, que é sediada no Rio de Janeiro, Reive Barros foi diretor da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel). A estrutura da EPE vai permanecer separada do MME. Ainda não há definição sobre o nome do novo presidente da empresa.

À frente da secretaria, Barros disse que suas prioridades serão a ampliação da abertura do mercado livre de energia, a separação entre lastro e energia e a segurança energética. “Temos que definir claramente a política energética do País. Ela foi concebida há um certo tempo e houve uma evolução muito grande”, afirmou.

Uma das preocupações, segundo ele, é a expansão do parque gerador de energia, diante da retomada do crescimento econômico do País. Ele destacou que as distribuidoras têm declarado uma demanda pequena, insuficiente em um cenário em que o País volte a crescer. Por isso, é necessário separar lastro e energia, já que a expansão do sistema é financiada unicamente pelas distribuidoras, que atendem ao consumidor final.

“Antes, não tínhamos uma grande migração para o mercado livre, autoprodução e geração distribuída. Então, essa questão tem que ser resolvida”, disse ele. “Esse é um problema sério, sobre o qual vou me debruçar agora no Ministério de Minas e Energia.”

Outros temas que serão prioridade, segundo Barros, é a estabilidade econômico-financeira das distribuidoras, a redução da judicialização no setor elétrico, os leilões de potência devido à intermitência das fontes renováveis e uma maior previsibilidade dos leilões.

Também está entre as preocupações do novo secretário o abastecimento no Estado de Roraima, que hoje depende da energia da Venezuela. A ideia é viabilizar a retomada da linha de transmissão Manaus – Boa Vista e leilões de suprimento de energia local.

Fonte Oficial: Exame.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!