Sindicato reage à ameaça de saída da GM; montadora fará reunião dia 22 – Exame

São Paulo – O Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos e região divulgou nota neste fim de semana para repudiar declarações feitas pelo presidente da General Motors Mercosul, Carlos Zarlenga.

Em comunicado aos funcionários, o executivo disse que “investimentos e o futuro” do grupo na região dependem da volta da lucratividade das operações ainda em 2019. Trabalhadores e montadora se reunião na próxima terça-feira, 22, para debater o tema.

Em nota, o sindicato informou que recebeu com “indignação” o comunicado interno. “A GM instaura um clima de apreensão entre os trabalhadores, afirmando que 2018 foi um ano de prejuízos para as plantas da América do Sul e que 2019 será decisivo para o futuro da fábrica. A empresa chega a mencionar a possibilidade de deixar a região”, cita a nota da entidade que representa os trabalhadores. “Ressalte-se que a GM detém 20% do mercado brasileiro e não está em crise financeira”, cita a nota.

O comunicado assinado por Zarlenga reproduziu reportagem publicada nos Estados Unidos que menciona que a presidente mundial da montadora, Mary Barra, deu sinais de que está considerando sair da América do Sul, onde mantém fábricas no Brasil e na Argentina.

Diante desse comunicado, os sindicatos de São José dos Campos e São Caetano do Sul (onde a GM mantém fábricas) irão se reunir com representantes da montadora para discutir o assunto na próxima terça-feira às 11h, em São José dos Campos.

Fonte Oficial: Exame.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!