Commodities nesta Semana: Petróleo a Caminho dos US$55; Paládio Pode Corrigir – Investing.com

A maior transparência da Opep em relação aos cortes de produção de , a fim de provar que não há excesso de oferta no mercado, bem como o otimismo cada vez maior com a possibilidade de Washington e Pequim selarem um acordo, apesar das suas constantes diferenças, ajudarão os que apostam na alta do petróleo a tentar buscar novamente os US$ 55 nesta semana.

Quanto aos metais preciosos, a posição do como metal mais valioso do planeta pode estar ameaçada caso os analistas estejam certos de que o metal autocatalisador está prestes a fazer uma correção, após ganhos de cerca de 70% desde agosto e quase 10% neste mês.

No petróleo, a Opep intensificou sua campanha para refutar rumores de que seus membros não estão unidos ou contribuindo com os cortes prometidos, ao publicar a produção de cada país que participa da aliança Opep+, a qual inclui países não membros do cartel, como a Rússia e a Malásia.

Dominick Chirichella, diretor de risco e negociação do Instituto de Gestão Energética de Nova York, declarou:

“A divulgação de cortes específicos (para cada país) pela Opep é um sinal de que seus membros estão levando muito a sério a tentativa de fazer com que a oferta e a demanda mundial voltem ao equilíbrio, forçando a armazenagem a retornar à condição sustentável de desestocagem”.

Recomendação de “Forte compra” até o WTI atingir os US$ 60

O petróleo norte-americano West Texas Intermediate atingiu a máxima de seis semanas de US$ 53,90 na sexta-feira e, na sessão asiática desta segunda, alcançou US$ 54,38. A perspectiva diária para o WTI no Investing.com é de “Forte Compra”. Os analistas técnicos só recomendam “Venda” quando sua atual média móvel de 50 dias alcançar a média móvel de 100 dias a US$ 60. O mercado futuro de petróleo nos EUA ficará fechado na segunda-feira em razão do feriado de Martin Luther King e reabrirá na terça-feira.

Oil 60 Minute Chart

Na sexta-feira passada, informações de que a China, maior compradora de petróleo do mundo, se dispôs a aumentar suas importações anuais provenientes dos EUA em mais de US$ 1 trilhão para arrefecer sua guerra comercial aumentaram ainda mais a octanagem do pregão. Mas o representante de comércio dos EUA, Robert Lighthizer, mostrou-se cético com a oferta, já que Pequim planejava efetivar o acordo ao longo de um período de seis anos, e não antes, como exigia o governo Trump.

Além das iniciativas da Opep e da China, aqueles que acreditavam na valorização do petróleo norte-americano West Texas Intermediate para US$ 55 tiveram uma ajuda em casa quando os , feita pela empresa Baker Hughes, mostraram uma queda de 21 plataformas, a maior queda semanal em quase três anos.

O declínio nas perfurações coloca em dúvida se o boom do shale nos EUA, responsável por provocar o atual excesso de oferta, assim como o de 2014-17, continuará sua ascensão implacável, principalmente depois que a Energy Information Administration, dos EUA, declarar, na semana passada, que espera que a produção doméstica atinja novas máximas históricas de 13 milhões de barris por dia até 2020, muito acima da produção da Arábia Saudita e da Rússia.

Shale ainda continua sendo um enigma

Em sua newsletter semanal, a Energy Intelligence, de Nova York, observou que a evolução contínua do shale se tornou um enigma para o setor, complicando os esforços da Opep de gerenciar a oferta, bem como a capacidade de o mercado emitir sinais adequados de preço para investimentos no aumento da produção.

A consultoria disse ainda em seu documento Petroleum Intelligence Weekly:

“O shale fará uma espécie de delimitação dos preços do petróleo, com variações na faixa de US$ 50 a US$ 80, determinadas parcialmente pelo grau de retração ou expansão dos produtores de shale. Mas também vemos um cenário em que o shale será menos sensível aos preços, à medida que o desenvolvimento mude para operações em escala maior nas mãos dos principais produtores e empresas independentes de grande porte”.

Com o paládio, cresce o coro de que o mercado pode ver uma correção significativa após seu preço à vista cruzar o patamar de US$ 1.400 por onça na semana passada, embora alguns acreditem que o metal autocatalisador possa subir ainda mais para US$ 1.500. A perspectiva diária do paládio à vista no Investing.com é de “Forte Compra”, com a resistência de Fibonacci mais forte em US$ 1.480,13.

Correção do paládio poderia chegar a US$ 1.250/onça

Desde que superou os picos do ouro em 2019 de mais de US$ 1.300, no dia 4 de janeiro, o preço à vista do paládio renovou uma série máximas, culminando na superação dos US$ 1.400 pela primeira vez, na quinta-feira.

A valorização do paládio foi impulsionada por medidas de estímulo à compra de automóveis na China. Também contribuiu para a alta uma projeção da Metals Focus Ltd. de que as ofertas continuarão apresentando déficit pelo oitavo ano seguido.

Palladium Weekly

Palladium Weekly

Walter Pehowich, analista do setor e vice-presidente executivo da Dillon Gage Metals, em Addison, Texas, afirmou que a previsão de déficit de 250.000 a 1.000.000 onças na oferta de paládio em 2019 mostra um mercado que sobe no boato e cai no fato.

Segundo Pehowich: “Observando a distância percorrida e a velocidade com que avançamos, o preço do paládio já deveria ter corrigido há muito tempo, principalmente se as notícias começarem a acabar”, em referência a um déficit na oferta. O analista complementou:

“Se mais metal entrar no mercado… poderia acontecer uma forte queda. E é isso o que eu espero que aconteça.”

Philip Streible, estrategista sênior de mercado para metais preciosos da RJO Futures, em Chicago, também acredita que uma violenta reversão pode acontecer no paládio, embora o metal “possa superar facilmente os US$ 1.500”.

O analista complementou: “Espero que ele caia para níveis mais normalizados, próximos à região dos US$ 1.250. Um pequeno crash poderia pegar muita gente desprevenida”.

Fonte Oficial: Investing.com.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!