Café: Ano de Bienalidade Negativa Pode Ter Safra Recorde – Investing.com

Depois da safra recorde em 2018/19, as expectativas do setor ainda são de produção satisfatória em 2019/20, considerando-se o ciclo bienal negativo dos cafezais de arábica. A primeira estimativa da Conab, divulgada na quinta-feira, 17, indica que a produção na temporada 2019/20 pode ficar entre 50,4 e 54,4 milhões de sacas de 60 kg de (arábica e ), um novo recorde para um período de bienalidade negativa. O levantamento da Conab também está dentro do esperado por agentes consultados pelo Cepea, que esperam safra 2019/20 entre 50 e 55 milhões de sacas. Os principais motivos da produção positiva são o clima favorável desde as floradas – que aumentou o potencial dos cafezais de arábica e, especialmente, de robusta – e a otimização do manejo da cultura.

ARROZ: CHUVA PREJUDICA ACESSO À LAVOURA, PRODUTOR RECUA E SUSTENTA VALORES

O preço do segue estável no Rio Grande do Sul, registrando apenas ligeiras oscilações – entre R$ 39 e R$ 40. Segundo colaboradores do Cepea, as frequentes chuvas no estado têm dificultado o acesso a algumas propriedades rurais, afastando do mercado boa parte dos orizicultores. A postura retraída dos vendedores é reforçada ainda pelas desvalorizações observadas nos últimos três meses de 2018 e pela expectativa de menor colheita na safra 2018/19. Do lado comprador, algumas beneficiadoras aumentaram os valores de suas ofertas para realizar novas aquisições, mas mantiveram a preferência pelo arroz depositado em seus armazéns. Segundo empresas consultadas pelo Cepea, a demanda dos setores atacadista e varejista dos grandes centros consumidores aumentou, mas a “queda de braço” quanto aos preços persistiu. Nesse cenário, de 15 a 22 de janeiro, o Indicador do arroz em casca ESALQ/SENAR-RS, 58% grãos inteiros, recuou ligeiro 0,8%, fechando a R$ 39,77/sc no dia 22.

ALGODÃO: COMPETIÇÃO ENTRE VENDEDOR E COMPRADOR ESTABILIZA PREÇO

O mercado de algodão em pluma segue registrando acirrada “queda de braço” entre vendedores e compradores. Esse cenário, por sua vez, acabou estabilizando os preços da pluma no mercado spot – o Indicador CEPEA/ESALQ tem sido fechado a R$ 2,94 desde a terça-feira passada, 15. Entre 15 e 22 de janeiro, o Indicador do algodão em pluma CEPEA/ESALQ, com pagamento em 8 dias, permaneceu praticamente estável (+0.1%), fechando a R$ 2,9467/lp no dia 22. Já na parcial de janeiro, o Indicador registra queda de 3,9%, devido à pressão exercida por compradores no início do mês. Segundo colaboradores do Cepea, as disparidades de preços e de qualidade têm limitado os fechamentos no mercado spot. Comerciantes estão em busca de pluma para atender a contratos e também para fechar negócios “casados”. No entanto, colaboradores do Cepea alegam que boa parte da pluma disponível apresenta cor e/ou características (como micronaire, fibra e resistência), além da heterogeneidade nos lotes. Tradings, atentas às altas nos preços externos, estão firmes nos valores pedidos. Parte dos produtores, por sua vez, está voltada às atividades de campo e à entrega de contratos para os mercados interno e externo.

TOMATE: CALOR INTENSO ACELERA COLHEITA, ELEVA OFERTA E PREÇO CAI

As temperaturas elevadas neste mês de janeiro têm acelerado a maturação do tomate salada longa vida em algumas das regiões produtoras acompanhadas pelo Hortifruti/Cepea, levando à intensificação da colheita e, consequentemente, elevando a oferta do fruto. Nesse cenário, os preços recuaram nos últimos dias. Entre 14 e 18 de janeiro, a caixa de 20 quilos do tomate salada longa vida teve média de R$ 43,00 no atacado de Belo Horizonte (MG), 33% menor que a da semana anterior; no Rio de Janeiro, a média foi de R$ 49,52/cx, recuo de 25,86% na mesma comparação; em Campinas (SP), o valor médio da caixa foi de R$ 52,08, queda de 18,15%; e em São Paulo, de R$ 54,52, 16,56% menor. Segundo colaboradores do Hortifruti/Cepea, o clima quente e chuvoso também afetou a qualidade dos tomates. Em Caçador (SC), por exemplo, os frutos apresentam manchas. Já em Itapeva (SP) é a traça que vem prejudicando significativamente as roças, reduzindo o valor de comercialização do fruto – os preços chegaram a R$ 20,00/cx para o tomate ponteiro.

Fonte Oficial: Investing.com.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!