Sócios da Minerworld serão ouvidos pela Justiça amanhã – Portal do Bitcoin

Será dado o início do julgamento dos acusados de crime contra a economia popular que envolve as empresas Minerworld, BitOfertas, Bitpago e mais 16 réus. As partes serão ouvidas às 14h desta quinta-feira (24) no Fórum de Campo Grande (MS). Esta primeira audiência tem como objetivo identificar fundos, segundo o Midiamax.

Já com a posse de logins e senhas identificadas pelo Ministério Público de Mato Grosso do Sul (MPMS), as autoridades vão acessar as contas na presença dos réus e transferir qualquer fundo existente para a conta judicial do processo.

De acordo com o juiz titular da 2ª Vara, David Gomes de Oliveira Filho, é possível que sejam identificadas, por meio de rastreamento, contas que receberam fundos após a determinação de bloqueio de bens. Segundo ele, isto pode agilizar o processo, relatou o site.

As partes e todos os envolvidos receberam intimação da Justiça de Campo Grande. O documento alertou que no caso do não comparecimento ou da recusa em depor, o juiz de direito aplicará a pena descrita no artigo 385, § 1º da Lei 13105/15 que diz o seguinte:

“Se a parte, pessoalmente intimada para prestar depoimento pessoal e advertida da pena de confesso, não comparecer ou, comparecendo, se recusar a depor, o juiz aplicar-lhe-á a pena”.

Intimados

Foram intimados Cícero Saad Cruz, Johnes de Carvalho Nunes e Hércules Franco Gobbi, sócios da Minerworld.

Ivan Felix de Lima, Maykon Voltaire Grisoste Barbosa, Maiko Alessandro Cunha Franceschi e Rosineide Pinto de Lima também receberam a intimação e são tratados como sendo do ‘G10’, um ‘grupo de elite’ dentro do esquema de pirâmide financeira.

Em um outro grupo intimado, consta a esposa de Hércules Gobbi, Patrícia da Silva Beraldo, os pais de Cícero Saad, Raimundo Olegário Cruz e Mirna Saad Cruz, além de Edenil Neiva das Graças, Jeová das Graças Silva e Thayane Mayara Almeida Correia.

O esquema Minerworld

A empresas investigadas se apresentavam como plataformas de criptomoedas focadas no comércio de produtos usando o bitcoin como meio de pagamento e prometiam lucros exorbitantes em cima da criptomoeda.

Em 17 de abril deste ano, a BitOfertas, a Bitpago e a MinerWorld foram alvos do Grupo de Atuação Especial no Combate ao Crime Organizado (Gaeco).

Os agentes deflagram, então, operações nas cidades de Campo Grande (MS) e São Paulo, cumprindo mandados de busca e apreensão em suas sedes.

Segundo a polícia, o esquema tinha como seus principais dirigentes Cícero Saad, Hércules Gobbi e Johnnes Carvalho, que recrutavam pessoas para fazer parte do grupo que, segundo eles, era uma mineradora de bitcoin.

A Minerworld, que no final do ano passado já recebia várias reclamações sobre pagamentos não realizados (dos lucros prometidos na pirâmide) anunciou, então, o roubo dos bitcoins que a empresa sofreu na Poloniex.

A exchange, que tem sede em Delaware (EUA), não se manifestou sobre o caso e tudo passou a ser investigado como suposta formação fraudulenta de pirâmide financeira.

A operação, chamada ‘Lucro Fácil’, foi solicitada pelo MPMS após uma ação cível pública proposta pela 43ª Promotoria de Justiça.

A instituição é responsável pelas atividades de proteção e defesa dos interesses coletivos e individuais do consumidor.

O início das investigações deu-se depois da denúncia da Comissão de Valores Mobiliários (CVM) que verificou o público lesado e pediu providências.


BitcoinTrade

Baixe agora o aplicativo da melhor plataforma de criptomoedas do Brasil. Cadastre-se e confira todas as novidades da ferramenta, acesse: www.bitcointrade.com.br

O post Sócios da Minerworld serão ouvidos pela Justiça amanhã apareceu primeiro em Portal do Bitcoin.

Fonte Oficial: Portal do Bitcoin.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!