Bolsonaro: “Viu os pobretões na minha mesa ontem à noite?” – Exame

Ele se referia ao fato de que, na noite de abertura do Fórum, jantaram em sua mesa pessoas como o presidente da Suíça, a rainha da Jordânia e o CEO Apple

Por Estadão Conteúdo

access_time 24 jan 2019, 09h58

Davos – Enquanto os termômetros em Davos marcavam 9 graus negativos na manhã de quarta, 23, Bolsonaro iniciava o dia tomando café, em seu hotel, cercado por assessores, pelo chanceler Ernesto Araújo e o filho Eduardo Bolsonaro.

A reportagem do Estado, sentada à mesa ao lado, acompanhou cerca de 20 minutos da conversa da comitiva com o presidente . Em pauta, assuntos estratégicos, críticas à imprensa, comentários sobre o poder das redes, futebol, dólar, a situação da Venezuela e até mesmo perguntas sobre a ortografia de palavras.

Quando um dos assessores de Bolsonaro chegou para o café, o presidente comentou: “Viu os pobretões que estavam na minha mesa ontem?”, provocando risada geral. Ele se referia ao fato de que, na noite de terça-feira, 22, o jantar de abertura do Fórum incluiu em sua mesa o presidente da Suíça, Ueli Maurer, a rainha Rania, da Jordânia, o fundador do Fórum, Klaus Schwab, o presidente da Apple, Tim Cook, a rainha Mathilde, da Bélgica, e o presidente da Microsoft, Satya Nadella.

Parte do debate se concentrou na reação dos mercados e da imprensa sobre seu discurso em Davos, feito na terça-feira e que foi o mais curto já pronunciado por um presidente brasileiro no evento. “Tem cinco dias de alta (do dólar) e dá uma baixadinha e já dizem que é o discurso”, se queixou Bolsonaro, em referência à moeda.

Araújo destacou, de forma elogiosa, como dois jornais estrangeiros tinham dado destaque a certos trechos da fala , enquanto o resto da comitiva reclamava de que, no Brasil, foram as críticas que dominaram. “E no Brasil dizem que eu me equivoquei ao falar das florestas”, protestou o presidente.

A conversa então migrou para a situação do Enem. “Pode ter certeza que alguém do PT vai vazar a prova”, disse Bolsonaro. “Vai vazar”, repetiu, insistindo para a facilidade que seria “tirar uma foto”.

Nesta semana, o governo Jair Bolsonaro tornou sem efeito a nomeação de Murilo Resende, que assumiria a coordenação do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), e o nomeou para o cargo de assessor da Secretaria de Educação Superior do Ministério da Educação (MEC).

Ex-ministro da Educação na gestão petista, Aloizio Mercadante disse, em nota, que as acusações eram inaceitáveis.

Durante o café, também não faltaram comparações ao futebol e mesmo comentários sobre os times do São Paulo e Vasco da Gama, que disputam a final da Copinha nesta sexta-feira. “O sr. vai ter de entrar para dar parabéns”, sugeriu uma das pessoas à mesa.

Ao longo da conversa, um dos pontos centrais foi o poder das redes sociais e comentários sobre como o governo deve se comportar nesses meios. “É outro idioma”, insistiu um dos assessores. Eduardo alertou para o fato de que “muita gente nem lê o que postamos”. “Olham a foto e já comentam, sem nem ler. Acho que apenas 5% das pessoas de fato leem o que se escreve”, disse. Instantes depois, ele perguntou ao grupo: “Trilionário e bilionário têm (a letra) H? Não, né?”.

Ao terminar o café , a reportagem se aproximou do presidente. Questionado se comentaria a situação de seu filho, Flávio Bolsonaro, o presidente virou as costas e disse que “não”. O dia estava apenas começando em Davos. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Fonte Oficial: Exame.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!