Faturamento e emprego direto aumentaram em 2018 no setor de franquias – Exame

A Associação Brasileira de Franchising (ABF) informou hoje (24) que a receita do setor cresceu 7% no ano passado em relação aos R$ 163 bilhões registrados em 2017. Em balanço, cujos dados são preliminares, a ABF diz que o número de empregos diretos gerados pelo setor indica aumento de 8% sobre o ano anterior, com 1,3 milhão de trabalhadores contratados em 2018.

“Com a nova lei trabalhista, estamos incluindo também trabalhadores intermitentes que foram contratados pelos franqueados e franqueadores durante o ano”, ressaltou, em entrevista à Agência Brasil, o presidente da ABF, André Friedheim.

Segundo Friedheim, no quarto trimestre do ano passado, o setor de franchising nacional sentiu a retomada do movimento, especialmente depois de passado o período eleitoral. “O índice de confiança tanto do consumidor como do empresariado começou a aumentar. E, quando o nível de confiança do consumidor aumenta, ele está predisposto a gastar mais, a se endividar um pouco mais para consumir mais, porque já enxerga uma manutenção do emprego, um aumento de renda.”

Ele acrescentou que, quando o consumidor se predispõe a consumir, o varejo e os serviços são os primeiros setores a apresentar reaquecimento. “Sentimos isso a partir do quarto trimestre”. Para Friedheim, o movimento de recuperação da economia deve se manter em 2019, impactando de forma positiva o franchising nacional. A expectativa é que o faturamento do setor evolua entre 8% e 10% em relação a 2018, acompanhado da expansão também do mercado de trabalho, em torno de 5%.

Investimento

Para Friedheim, quando o empresariado mostra disposição de investir, o número de franquias tende a aumentar, porque, em vez de deixar o dinheiro no banco, ele prefere investir a juros mais baixos e correr um pouco mais de risco, mas com possibilidade de rentabilizar o capital investido de maneira mais vantajosa do que deixando o dinheiro parado.

“Aí, surge a franquia como uma opção interessante, porque traz marca, traz know-how [conhecimento prático], ganho de escala, rede de negócios, compartilhamento, colaboração. O franchising traz menos risco do que montar um negócio independente e tende agora a retomar seu crescimento em número de operações”, afirmou Friedheim.

De acordo com os números da ABF, depois de um ano de queda, a expansão do número de unidades franqueadas atingiu 5% em 2018, com aumento de 1% de novas marcas, em função da crise, que inibiu maiores investimentos por parte dos empresários. A expectativa é manter o crescimento de unidades entre 5% e 6%, em 2019, repetindo o aumento de 1% de novas marcas.

Embora o setor de alimentação tenha se mantido na liderança em número de franqueadores e de operações, o grande destaque do ano foi a parte de saúde, estética e beleza, que “gerou maior crescimento” e também a área de serviços em geral. O grande impulso no setor de alimentação pode ser explicado pelas novas plataformas de delivery e pela capilaridade de operações, que facilitam a logística de acesso ao consumidor.

Pelo terceiro ano consecutivo, a rede O Boticário, do segmento de saúde, beleza e bem-estar, com 3.724 operações de franquias em 2018, ficou em primeiro lugar entre as marcas em operação no Brasil. Na segunda posição, manteve-se a rede AM PM Mini Market, de alimentação, com 2.493 operações. A Região Sudeste concentrou o maior número de unidades e de franqueadores das 50 maiores marcas, com destaque para os estados de São Paulo e do Rio de Janeiro.

Novos formatos

Friedheim estimou que, além de alimentação, deverão continuar crescendo os segmentos de saúde, turismo, hotelaria e educação, principalmente os novos cursos, como robótica. De acordo com a ABF, as maiores redes de franquias brasileiras continuam investindo na implantação de novos formatos. Em 2018, comparativamente a 2017, enquanto o percentual de lojas tradicionais diminuiu de 91% para 88%, outros formatos cresceram de 9% para 12%, como quiosques, unidades móveis e operações home based (que funciona em casa).

Essa tendência permanecerá em 2019, disse Friedheim. “Novos formatos e modelos de negócios, sem perder o DNA da franquia, são alternativas, porque consegue-se entrar em pontos comerciais alternativos, como universidades, estações de trem, de metrô”. Esses formatos oferecem custos menores para montar uma franquia e também para manter. “É um [tipo de] negócio que tem muito para crescer ainda no mercado brasileiro.”

Ele destacou ainda o movimento de internacionalização das marcas brasileiras, que continua em ritmo positivo. “O mais importante é que cresceu também a abrangência de países. Marcas que já estavam lá fora começaram a abrir novos mercados. Passamos de 100 para 114 países com marcas brasileiras. Isso mostra que as marcas ficaram mais fortes, se consolidaram.”

De acordo com o presidente da ABF, o segmento da moda é o mais representativo, com 35 marcas. O primeiro destino das marcas brasileiras são os Estados Unidos, com 59 marcas. Portugal é o segundo país mais procurado, com 34 marcas, e o Paraguai, o terceiro, com 32 marcas. Friedheim disse não esperar grandes mudanças na participação das franquias brasileiras no exterior. A prioridade deve continuar sendo Estados Unidos e Portugal e Espanha, como entrada para a Europa, além da América Latina e de Angola, acrescentou.

Fonte Oficial: Exame.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!