Elites de Davos vão às trincheiras em defesa da ordem mundial – Exame

Multilateralismo e globalização foram defendidas por líderes como Angela Merkel, da Alemanha, Shinzo Abe, do Japão, e o vice-presidente chinês, Wang Qishan

Por Shawn Donnan, da Bloomberg

access_time 26 jan 2019, 08h00

A agenda em Davos pode ser abrangente, mas há uma clara prioridade: defender a ordem global.

Em discursos no encontro anual do Fórum Econômico Mundial, na quarta-feira, a chanceler alemã, Angela Merkel, o primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, e o vice-presidente chinês, Wang Qishan, falaram vigorosamente em prol da globalização e do multilateralismo e pediram o fim das guerras comerciais deflagradas pelo presidente americano, Donald Trump.

“Colocar a culpa pelos seus próprios problemas nos outros não vai resolver os problemas”, afirmou Wang em discurso no qual colocou a globalização como tendência “inevitável’’ e alertou que a ordem internacional enfrenta “sérios desafios” na forma de “unilateralismo, protecionismo e populismo”.

Ele não citou Trump ou os EUA, mas seus alvos estavam evidentes. Ele chegou a pedir a rejeição de “práticas em que o forte intimida o fraco e a autoproclamada supremacia”, uma alusão mal disfarçada ao lema “America First’’, que norteia a política externa de Trump.

Merkel usou seu tempo para convocar a união dos líderes para reformar o sistema internacional, pedindo que Trump aplicasse a arte de fazer concessões que cultivou durante sua carreira no setor imobiliário.

“Uma arquitetura global só vai funcionar se formos capazes de fazer concessões”, disse a chanceler.

Abe, que está prestes a embarcar em negociações comerciais potencialmente tensas com o governo Trump e sofre ameaça de novas tarifas sobre a importação de veículos pelos EUA, declarou em Davos que seu governo apoia “aprimorar a ordem internacional livre, aberta e baseada em regras”.

“Eu chamo todos vocês, senhoras e senhores, para reconstruir a confiança no sistema de comércio internacional”, disse ele.

Apesar do foco em Trump, há sinais de crescente ceticismo em relação à China, que fez pouco para se firmar como defensora da ordem global desde que o presidente Xi Jinping usou sua visita a Davos em 2017 para tentar se colocar nessa posição.

Em uma cutucada em Pequim, Abe discursou em favor de mudanças na Organização Mundial do Comércio, especificamente nas regras sobre subsídios. O Japão vem trabalhando com União Europeia e EUA em um plano para atualizar as regras para subsídios industriais.

Muitos países creem que a China usou esses subsídios injustamente nas últimas décadas para erguer sua economia e introduzir na economia global um novo exército de empresas gigantescas com apoio estatal.

Em um jantar na terça-feira com a presença de Xiao Yaqing, responsável pela Comissão de Supervisão e Administração de Ativos, executivos de mais de 20 empresas globais — como HSBC Holdings, JPMorgan Chase e Siemens — questionaram o tratamento de propriedade intelectual e o plano Made in China 2025, que visa colocar o país em primeiro lugar em setores como o de robótica.

Essas questões são centrais nas queixas do governo Trump, que aplicou tarifas sobre aproximadamente US$ 250 bilhões em importações chinesas. Os temas também estarão no topo da lista nas negociações entre os dois lados na semana que vem, em Washington.

Na quarta-feira, Xiao confirmou em entrevista que os executivos “expressaram suas preocupações em relação a algumas incertezas’’ e incluiu entre elas a desaceleração da economia chinesa.

Participação no PIB mundial de países com governos autoritários (laranja), democracias fracas (branco) e democracias populistas (azul). O salto se dá com a eleição de TrumpParticipação no PIB do G-20, mais a Espanha, de países com governos autoritários (laranja), democracias fracas (branco) e democracias populistas (azul). O salto se dá com a eleição de Trump

Participação no PIB do G-20, mais a Espanha, de países com governos autoritários (laranja), democracias fracas (branco) e democracias populistas (azul). O salto se dá com a eleição de Trump (Gráfico/Bloomberg)

Fonte Oficial: Exame.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!