Crise na Venezuela, um risco político e econômico para a Rússia – Exame

A crise no governo de Nicolás Maduro, na Venezuela, representa um risco político para a Rússia, que pode perder seu principal aliado na América Latina, mas também econômico, por seus importantes investimentos no setor petroleiro.

A Rússia – assim como China e Turquia – deu seu apoio ao presidente Maduro, frente à decisão dos Estados Unidos e de outros países do mundo de reconhecerem o líder parlamentar Juan Guaidó como presidente interino.

Se Maduro tiver de deixar o poder, Moscou pode perder uma aliança que começou com o governo de Hugo Chávez (1999-2013) e se transformou em seu principal aliado na região. Desde então, o país também se tornou o segundo credor de Caracas, atrás da China.

A Rússia “corre o risco de que todas as relações cultivadas durante muito tempo percam seu valor”, disse à AFP Nikolaii Petrov, professor da Escola Superior de Economia de Moscou.

Em caso de queda de Maduro, “os riscos de perder seus investimentos aumentarão seriamente”, aponta o especialista em Venezuela Daniel Rozental, da Academia de Ciências Russas.

Em dezembro, durante uma visita de Maduro a Moscou, a Rússia prometeu investir 6 bilhões de dólares no setor petroleiro e minerador do país.

Kalashnikov e petrodólares

“No início, os acordos com a Rússia eram, sobretudo, militares, com grandes pedidos de tanques, de fuzis Kalashnikov e de aviões Sukhoi. A Rússia acertou empréstimos para financiar estas compras militares. E depois foram criadas relações no setor de petróleo”, explica à AFP Serge Ollivier, um historiador especialista em Venezuela, professor e pesquisador da Universidade Panthéon-Sorbonne.

Desde 2005, a Venezuela comprou 11 bilhões de dólares em armas russas, segundo os cálculos de vários jornais do país. Isso faz de Moscou o primeiro fornecedor de armas do país sul-americano.

Alguns veículos afirmam que várias companhias privadas russas estão na Venezuela para apoiar o presidente Maduro. O Kremlin nega.

O ministro russo das Relações Exteriores, Serguei Lavrov, advertiu que Moscou fará “todo o possível” para apoiar Maduro. O Kremlin garantiu que quer “defender seus interesses no âmbito do Direito Internacional”.

“A Rússia vai lutar por seus contratos e por suas dívidas”, afirmou Vladimir Ruvinski, especialista nas relações entre Rússia e América Latina, da Universidade de Cali, Colômbia.

“Mas o Kremlin admitiu que também pode conversar com outras forças na Venezuela com a condição de que a transferência de poder seja legítima”, completou.

No setor petroleiro, a Rússia investiu milhões de dólares, principalmente por intermédio da petroleira Rosneft, dirigida pelo influente Igor Sechin, muito próximo do presidente Vladimir Putin, que visita Caracas com frequência.

A Rosneft participa de vários projetos de exploração e de produção de petróleo e gás na Venezuela junto com a petroleira nacional venezuelana PDVSA, agora sob sanções de Washington.

Uma parte da dívida da Venezuela com a Rússia é reembolsada com hidrocarbonetos, em virtude de acordos entre a PDVSA e a Rosneft. A Rússia também aceitou reestruturar essa dívida em diversas ocasiões.

Acordos arriscados

“Ao fechar o acesso de Caracas a Wall Street em 2017, Trump levou o governo a se aproximar mais de Moscou e Pequim para buscar financiamento. Maduro não teve outra opção a não ser pedir mais à Rússia, que aproveitou para obter acordos interessantes, mas muito arriscados”, comentou Serge Ollivier.

“Os russos se aproveitaram da vulnerabilidade de Caracas”, aponta o historiador.

“Mas não conseguem cobrar como esperavam”, por causa do “estado catastrófico das infraestruturas petroleiras do país e da decadência da PDVSA”, completou.

“Nas negociações internacionais futuras, a única possibilidade de que a Rússia aceite uma transição política na Venezuela seria obter garantias sobre seus ativos”, acrescentou Ollivier.

Na televisão pública russa, a crise de Caracas foi comparada à revolução na Ucrânia de 2014, que derrubou o presidente pró-Moscou, provocando a ira dos russos.

Segundo Daniel Rozental, porém, “o pragmatismo prevalece na Rússia”, mesmo se a oposição chegar ao poder.

“Brigar com a Rússia não é racional” para a Venezuela, acrescenta.

Fonte Oficial: Exame.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!