Dois grupos de hackers são responsáveis pela maioria dos roubos a criptomoedas: Estudo – Portal do Bitcoin

Um relatório sobre roubos de criptomoedas divulgado pela Chainalysis nesta segunda-feira (29) revelou que são apenas dois os grupos de cibercriminosos envolvidos na maioria dos ataques hacker a exchanges e que esse tipo de crime está cada vez mais sofisticado.

Segundo a empresa de pesquisa, esses dois grupos são responsáveis por 60% de todos os roubos que se tornaram públicos, o que lhes rendeu cerca de U$S 1 bilhão.

A média do montante roubado em cada ação criminosa é de US$ 90 milhões. Esses fundos são transferidos em um esquema complexo e bem elaborado pelos hackers que os distribui em várias exchanges e carteiras de criptomoedas, diz o relatório.

Para dar mais facilidade no entendimento dos casos, a empresa nomeou os dois “proeminentes e profissionais” grupos em Alpha e Beta.

O grupo Alpha recebeu a seguinte descrição: organização gigante e muito bem controlada cujo foco não é só dinheiro, mas sim bater metas.

Esse grupo movimenta rapidamente um número extremamente alto de fundos roubados logo após os atos. Apenas uma ação envolveu 15.000 transferências, diz o relatório. A conversão em fiat é realizada num período de aproximadamente 30 dias.

Já o outro grupo, Beta, que foi exposto no relatório como uma organização menor, menos ordenada e absolutamente focada no dinheiro, leva de 6 a 18 meses para trocar os criptoativos em dinheiro, segundo a análise.

No entanto, quando decide sacar os fundos, o grupo o faz sem medo e retira 50% ou mais em poucos dias. O relatório apontou que em apenas um saque a retirada foi de cerca de US$ 32 milhões.

Roubo ao Ethereum aumentou

O relatório também estudou quais criptomoedas são os maiores alvos de fraudes e descobriu que roubos ao ethereum aumentaram em 2018, mas, em valor, não superou o ano anterior. Em 2017 foram roubados US$ 17 milhões em ETH. Já no ano passado esse número chegou a US$ 36 milhões.

Atividade na deepweb quase dobrou em 2018

De acordo com o Chainalysis, os malfeitores dobraram suas ações na deep web durante o ano passado, quando o mundo viu o bitcoin despencar sem parar chegando a desvalorizar 80% em relação à sua máxima de dezembro de 2017.

A empresa sugere que os crimes de criptomoedas estão evoluindo para se tornarem crimes comuns, ou seja, ela  acredita que em 2019 esse tipo de crime será mais assimilado a crimes tradicionais, como foi comentado no seguinte trecho:

“O crime de criptomoedas está evoluindo para se tornar parte do crime tradicional e achamos que essa tendência continuará em 2019. Os participantes do mercado de criptomoedas precisarão de tecnologia de ponta e análise investigativa para revidar”.


BitcoinTrade

Baixe agora o aplicativo da melhor plataforma de criptomoedas do Brasil. Cadastre-se e confira todas as novidades da ferramenta, acesse: www.bitcointrade.com.br

O post Dois grupos de hackers são responsáveis pela maioria dos roubos a criptomoedas: Estudo apareceu primeiro em Portal do Bitcoin.

Fonte Oficial: Portal do Bitcoin.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!