Vale: Vender pelo risco de imagem ou comprar pelos bons fundamentos? – Investing.com

Bom dia Investidores,

Ontem o caiu 2,29% e fechou aos 95.443 pontos, com um giro financeiro forte de R$ 24,3 bilhões, porém um terço dessa movimentação, foi apenas nas ações da Vale(VALE3 (SA:)).

As ações da Vale despencaram 24,52%, com o mercado financeiro punindo violentamente a empresa. A perda foi de mais de R$ 72 bilhões de valor de mercado em apenas um dia. O risco de imagem para a empresa é imensurável, já que foi reincidente e pode ter tirado a vida de mais de 300 pessoas, sendo incomparável com o acidente em Mariana, que deixou 19 mortos.

Escritórios jurídicos nos EUA já vem se pronunciando e devem entrar com ações coletivas contra a empresa, que consideram o caso da Vale mais grave do que da Eletrobrás e da Petrobrás, já que envolve mortes. Além disso a Fitch já rebaixou o rating da Vale de BBB+ para BBB-, e colocou em observação para mais um novo corte, perdendo o grau de investimento.

Todos esses fatores, somados a um governo mais rigoroso em termos de punição a empresa, falando até em afastamento de diretores, fazem os investidores ficarem preocupados com a empresa. De ontem para hoje, muitos analistas vem se pronunciando, e todos destacam a capacidade financeira da empresa, que possui um caixa forte, muita capacidade de geração de receita e potencial de crescimento, alguns falando até em oportunidade de compra para o papel.

Seja como for, os fundamentos da empresa são ótimos, e de fato, olhando apenas números, a recomendação seria de uma oportunidade de compra, já que a perda de mais de 24% foi excessivo do ponto de vista econômico, porém não pode se negligenciar todos os fatores que eu elenquei, que ainda podem punir a empresa, que vem se esforçando para melhorar a sua imagem perante a sociedade, ontem mesmo anunciaram a doação, e não a indenização, de R$ 100 mil a cada família das vítimas, como forma de mostrar apoio.

Para quem gosta de volatilidade, essa é a oportunidade, o cenário é de muito risco x retorno e quem acertar o lado, poderá colher bons lucros.

A Bradespar (SA:), que detém participação na Vale, atuando de forma direta na administração superior, com membros no Conselho de administração, caiu 24,49%, ajudando a derrubar o Ibovespa. Sem as ações da Vale e da Bradespar, o índice fecharia positivo.

A queda no preço do , por receio de desaceleração global, ajudaram a derrubar as ações da Petrobras, que caíram 3,53% nas Ordinárias (SA:) e 3,01% nas Preferenciais (SA:)). Já as ações da Ambev (SA:) subiram 4,6%, com o Goldman Sachs reiterando recomendação de compra, confiando nos resultados operacionais da empresa.

Os bancos privados tiveram um dia de alta, com os investidores apostando em um boa temporada de balanço e lucros fortes. As ações do Bradesco (SA:) subiram 0,81%, do Itaú (SA:) subiram 1,79% e do Santander (SA:) subiram 0,26%. Já as ações do Banco do Brasil (SA:) caíram 1,28%, já que o fundo de pensão de funcionários do banco, é um dos maiores acionistas da Vale.

Indo para o , o dia foi de alta, com a moeda subindo 0,14% e fechando em R$ 3,76. A alta só não foi maior, pois o dólar se desvalorizou frente a grande maioria das moedas, com a expectativa de um PIB mais fraco para 2019. Prova disso é que se valorizou 1,03% frente ao real, fechando em R$ 4,31.

Já os juros DIs, tiveram mais um dia de alta, destaque para o DI jan 2021 que foi de 7,20% para 7,22% e o DI jan 2025 que foi de 8,87% para 8,93%.

Na agenda, hoje vamos ter o IGP-M de janeiro e o BC divulgará a nota de operação de crédito relativa ao mês de dezembro.

Indo para os Estados Unidos, o dia foi de queda, com o caindo 0,84%, o caindo 0,78% e o caindo 1,11%. O motivo foram os dados mais fracos na China, que começaram a afetar o balanço das empresas norte-americanas, prova disso foi a queda de 9,13% da Caterpillar, que atribuiu o resultado mais fraco, a menor demanda por parte dos chineses. Além da desaceleração chinesa, a revisão do PIB dos Estados Unidos para baixo, por Bank of America e Goldman Sachs, também ajudaram a pressionar as bolsas americanas.

O grande teste será hoje, com a divulgação do balanço da Apple (NASDAQ:), no fechamento do pregão, já que alguns dias atrás, a companhia revisou os seus resultados para baixo, por conta da desaceleração chinesa e da guerra comercial. Além disso vamos ter hoje o balanço da 3M e da Pfizer.

A agenda será fraca, apenas com a confiança do consumidor medida pelo Conference Board. Com a agenda fraca, o mercado se voltará a para a retomada das negociações comercias entre China e EUA.

Indo para a Europa, hoje as bolsas abriram em leve alta, com o de Madri, subindo 0,01% e o FTSE de Milão, subindo 0,07%. Ontem, Mario Draghi, presidente do BCE destacou que os indicadores dos últimos meses da Zona do Euro vieram piores que o esperado. Hoje será mais um dia importante para Theresa May, já que será a votação do projeto de lei do acordo do Brexit, no Parlamento Britânico.

Na Ásia as bolsas fecharam praticamente de lado, com o de Tóquio, subindo 0,08% e o Índice Shangai caindo 0,10%. Vale lembrar que o indicador que derrubou as bolsas ontem, o lucro industrial chinês em dezembro, que veio abaixo do esperado e recuou 1,9%.

Conforme comentei anteriormente, a desaceleração global e expectativa de menor demanda, derrubaram o preço do barril de petróleo, com o WTI caindo 3,17% e o caindo 2,77%.

E para finalizar, as criptomoedas tiveram mais um dia de baixa, com o recuando 1,36% e a caindo 3,35%.

Ótima terça e bons negócios!

Por Fabio Louzada
Eu me Banco!

Fonte Oficial: Investing.com.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!