Condenado, irmão de vice-governador de SP está foragido; MP pede apoio à Interpol – Isto É

O empresário Marco Aurélio Garcia, irmão do vice-governador de São Paulo, Rodrigo Garcia (DEM), teve a prisão decretada na última terça-feira, 29, e é considerado foragido pela Justiça de São Paulo. O Ministério Público Estadual está acionando a Interpol na tarde desta quinta-feira, 31, para solicitar apoio para sua captura.

Garcia foi condenado em segunda instância a 16 anos de prisão, em regime fechado, por seu envolvimento com a Máfia do Imposto Sobre Serviços (ISS), uma quadrilha de ex-fiscais da Secretaria Municipal da Fazenda da capital que cobrava propina para auxiliar as grandes incorporadoras imobiliárias da cidade a sonegar impostos, que agiu durante a gestão Gilberto Kassab (PSD). O ex-subsecretário da Receita Municipal, Ronilson Bezerra Rodrigues, e o ex-fiscal Fabio Remesso, também foram condenados e estão foragidos. As prisões foram determinadas pelo juiz Carlos Alberto Corrêa de Almeida Oliveira, da 25ª Vara Criminal da capital.

O acórdão do caso foi publicado nesta terça, data em que a Justiça emitiu novos mandados de prisão. Entretanto, a Polícia Civil de São Paulo, agora sob comando do governador João Doria (PSDB), não conseguiu localizar o irmão do vice-governador. O MPE tem informações de que Garcia teria fugido do País e, por isso acionou a Interpol. O Palácio dos Bandeirantes foi questionado sobre o tema, mas não quis comentar. O vice-governador também foi procurado e disse, por meio de sua assessoria, que também não comentaria.

As condenações ocorrem no fim de novembro passado e, na época, a Justiça chegou a determinar a prisão do trio. Entretanto, ainda havia uma etapa do processo judicial, a apreciação dos embargos de declaração, os questionamentos da defesa a respeito da sentença, que precisava ser vencida antes que o processo se considerasse julgado. Assim, os citados conseguiram habeas corpus.

O advogado Luiz Flavio Borges D’Urso, ex-presidente da Ordem dos Advogados do Brasil seção São Paulo (OAB-SP), que defende Garcia, afirmou que ingressou com dois recursos aos mandados. Um no Superior Tribunal de Justiça e um, especial, no Supremo Tribunal Federal. Para o defensor, os mandados não seguiram o rito comum, uma vez que foram expedidos antes de o acórdão do julgamento ser publicado.

Já o advogado Márcio Sayeg, que defende Ronilson, informou que também entrou com pedido de habeas corpus no STJ. “Ele (Ronilson) será apresentado amanhã, depois que o recurso foi julgado”, disse o defensor.

O jornal O Estado de S. Paulo não conseguiu localizar advogados de Fábio Remesso.

O caso se tratou de operações de lavagem do dinheiro ilícito obtido pela ação da máfia. Garcia era o locatário de uma sala comercial no calçadão do centro velho da cidade que, segundo o Ministério Público Estadual (MPE), era usado como escritório por Ronilson e pelos integrantes da máfia, uma sala apelidada de “ninho” entre os agentes.

Garcia também vendeu três flats para os fiscais da Prefeitura, mas não fez a transferência das propriedades. Para a acusação, essas ações foram pagamentos para a ocultação dos bens. Além disso, Garcia contratou a empresa de consultoria de Ronilson para a prestação de serviços que, segundo o MPE, não ocorreram.

Fonte Oficial: Isto É.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!