Aneel multa ONS e operadora por apagão de março do ano passado

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) informou hoje (1º) que multou o Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) e a Belo Monte Transmissora de Energia (BMTE) pelo apagão que causou queda de energia em 13 estados das regiões Norte e Nordeste e afetou estados do Sul e Sudeste, em março do ano passado. As duas multas somam cerca de  R$ 11 milhões.

De acordo com a área técnica da Aneel, no caso da Belo Monte Transmissora de Energia, foi apurada “falha no processo de manutenção” e “responsabilidade no desligamento em função de desempenho inadequado de sistema de proteção”, com multa proposta de R$ 6,184 milhões. Quanto ao ONS, dizem os técnicos que o órgão “deixou de observar procedimentos de rede” e teve “responsabilidade no desligamento em função de desempenho inadequado de sistema de proteção”, com multa indicada de R$ 4,912 milhões. “Os termos de notificação foram emitidos em 02/01/2019”, disse a agência.

A empresa e o operador terão 10 dias, a contar da data de recebimento do documento, para apresentar recurso que será analisado pela área técnica da Aneel. Depois, a documentação será encaminhada para decisão da diretoria da agência reguladora.

Ocorrido no dia 21 de março, o apagão foi ocasionado por problemas em uma linha de transmissão da empresa BMTE, que transporta energia da hidrelétrica para a Região Sudeste, e deixou cerca de 70 milhões de pessoas sem luz. Na ocasião, o ONS recomendou a aplicação de multa de 10% na Receita Anual Permitida por descumprimento de algumas exigências previstas em contrato.

O apagão começou pouco antes das 16h. Segundo o ONS, o evento teve origem na falha de um disjuntor de interligação de barramentos na Subestação Xingu, “às 15h48, e desconectou o bipolo em corrente contínua em 800 kV entre Xingu (PA) e Estreito (MA), por onde escoa para as regiões  Sudeste e Centro-Oeste a produção da Usina de Belo Monte, que era de 4.000 MW no momento”, disse o operador, em nota.

A queda de energia causou o desligamento de 20.528 MW, o que correspondeu a 26% da carga do Sistema Interligado Nacional (SIN) no momento.

Em razão do incidente, a Usina Hidrelétrica de Estreito, no sul do Maranhão, teve suas oito turbinas desligadas devido a oscilações de potência. O funcionamento só foi regularizado em maio.

A concessão do linhão, formada pela chinesa State Grid, que detém 51% das ações, e pela Eletrobras, que controla o restante, entrou em operação comercial dois meses antes do previsto, em dezembro do ano passado, por sugestão do governo e do ONS, sob a justificativa de levar a energia produzida pela usina.

A linha de alta tensão tem cerca de 2,1 mil quilômetros de extensão e atravessa 65 municípios dos estados do Pará, do Tocantins, de Goiás e de Minas Gerais. A entrada antecipada foi autorizada em outubro do ano passado pela Aneel, que concedeu um termo de liberação provisório para a empresa.

Edição: Nádia Franco

Fonte Oficial: EBC.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!