Subsídios para BNDES caíram R$ 13,5 bilhões em 2018 – Exame

O valor caiu de R$ 22,7 bilhões em 2017 para R$ 9 bilhões no ano passado

Por Agência Brasil

access_time 31 jan 2019, 21h58

Os subsídios ao Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e à Financiadora de Projetos (Finep) caíram R$ 13,5 bilhões em 2018, divulgou hoje (31) o Tesouro Nacional. O valor caiu de R$ 22,7 bilhões em 2017 para R$ 9 bilhões no ano passado.

As subvenções e os subsídios para o BNDES ocorrem porque o banco empresta recursos com juros mais baixos que os de mercado. O Tesouro precisa cobrir a diferença entre as taxas mais baratas que o tomador dos empréstimos subsidiados paga e os juros que o governo paga no sistema financeiro.

Os subsídios dividem-se em dois tipos. O primeiro é o explícito, também chamado de financeiro, quando o governo usa recursos do Orçamento Geral da União, aprovados pelo Congresso. Esse tipo de subsídio cobre a diferença entre as taxas usadas nos financiamentos do BNDES e as taxas cobradas do tomador.

Os subsídios implícitos ou creditícios não são cobertos com recursos do Orçamento, mas por meio da emissão de títulos da dívida pública. Esses subsídios cobrem a diferença entre a taxa Selic (juros básicos da economia) e a Taxa de Longo Prazo (TLP).

Até 2017, a taxa dos financiamentos do BNDES era a Taxa de Juros de Longo Prazo (TJLP), fixada a cada três meses pelo Conselho Monetário Nacional (CMN). No ano passado, a TJLP começou a ser progressivamente substituída pela TLP.

Segundo o relatório do BNDES, o pagamento de subsídios explícitos caiu de R$ 6,6 bilhões em 2017 para R$ 4 bilhões em 2018. O desembolso de subsídios implícitos recuou da R$ 22,7 bilhões para R$ 9 bilhões na mesma comparação.

De acordo com o Tesouro Nacional, a redução dos subsídios do BNDES decorre de três medidas. A primeira foi o fim do Programa de Sustentação do Investimento (PSI), que financiava a compra de bens de capital (máquinas e equipamentos usados na produção), exportações e investimentos em inovação. O PSI cobrava taxas inferiores a TJLP, portanto sendo parcialmente bancado com subsídios explícitos.

A segunda razão foi a extinção do PSI, que durou de 2009 a 2015, o programa teve o prazo de pagamento foi encurtado em 20 anos, de 2060 para 2040. Além disso, as carências de juros e principal, que vigorariam até março de 2020 e março de 2040, respectivamente, tiveram o fim antecipado para 31 de dezembro de 2018. A carência representa o período em que o tomador fica sem pagar parcelas dos financiamentos.

A terceira razão foi a criação da TLP. Mais próxima da taxa Selic, a nova taxa tem como finalidade reduzir os subsídios implícitos. A TLP é composta pela variação da inflação oficial pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) mais as taxas da NTN-B, título público de longo prazo corrigido pelo IPCA.

Fonte Oficial: Exame.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!