Governo centro-africano e grupos armados chegam a acordo de paz – Isto É

O governo centro-africano e 14 grupos armados alcançaram neste sábado (2) em Cartum um acordo de paz impulsionado pela União Africana (UA) e pela ONU, relançando a esperança de que retorne à normalidade depois de anos de conflito.

Segundo o governo, o acordo, o sétimo desde 2012, cujos detalhes ainda não foram revelados, “deve ser ratificado” no domingo e assinado “em Bangui em alguns dias”.

“Estamos finalizando o projeto de acordo no qual quase todas as disposições são aceitas por ambas as partes”, comemorou em sua conta no Twitter Smail Chergui, comissário da UA para a paz e segurança, que participa das negociações de Cartum.

“Parabenizamos que se tenha alcançado um consenso sobre os pontos de bloqueio, que eram a anistia e um governo inclusivo”, disse Abubakar Sidik, porta-voz de um dos principais grupos armados, a Frente Popular para o Reconhecimento da África Central (FPRC).

As negociações de Cartum começaram em 25 de janeiro e foram suspensas na quinta-feira por desacordos, em particular sobre a anistia dos responsáveis por crimes.

Bangui sempre rejeitou uma anistia dos chefes de guerra, pressionado pelas potências ocidentais, e os quais muitos já foram sancionados pela ONU. Sobre outros pesa um mandato de prisão.

A República Centro-Africana, país de 4,5 milhões de habitantes em guerra desde 2013, alcançou sete acordos de paz em cinco anos, mas nenhum trouxe estabilidade.

O diálogo de Cartum, preparado desde julho de 2017 pela UA e apoiado pelos principais sócios de Bangui, aspirava a ser mais ambicioso do que os anteriores. Ao redor da mesa de negociações estavam os principais chefes dos grupos armados e uma importante delegação do governo.

Os grupos armados pediam, além disso, segundo um documento obtido pela AFP, “a dissolução do governo e a formação de um governo para sair da crise”, cujo primeiro-ministro saiu de suas fileiras.

Também exigiam que criassem patrulhas mistas com as Forças Armadas centro-africanas para vigiar o território que está sob a sua influência.

A República Centro-Africana, ex-colônia francesa, é um dos países mais pobres do mundo, com importantes recursos minerais (diamantes, ouro e urânio). Os grupos armados se enfrentam pelo controle das riquezas.

A Minusca, missão da ONU no país, enviou 12.000 soldados.

Há um ano, a Rússia intervém no país entregando armas ao governo e garantindo a segurança do presidente Faustin Archange Touadéra.

O post Governo centro-africano e grupos armados chegam a acordo de paz apareceu primeiro em ISTOÉ DINHEIRO.

Fonte Oficial: Isto É.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!