Ginastas brasileiros iniciam treinamento de olho em Tóquio – Isto É

A programação de 2019 de atletas da ginástica artística masculina do Brasil começou com o primeiro estágio de treinamento da categoria, durante dez dias, até a última quinta- feira (31), com 17 esportistas da categoria desde medalhistas como Arthur Zanetti, Diego Hypólito e Arthur Nory e juvenis, no Centro de Treinamentos de Ginástica Artística, na Arena da Barra.

Esse ano, os atletas terão pela frente, entre outras competições, o Pan-Americano, em julho, em Lima, no Peru. Uma etapa importante para a definição de vagas para a Olimpíada de Tóquio 2020, no Japão.

“Se a gente ficar entre as 12 primeiras equipes do mundo, nos dá o direito a levar a equipe aos jogos olímpicos, porque ainda tem quatro vagas. Depois disso é que se começa a escolha do time. Primeiro a gente tem que conquistar as vagas”, disse o coordenador geral de eventos da Confederação Brasileira de Ginástica, Henrique Motta. Se a equipe não ficar entre os 12 no Pan-Americano, haverá apenas uma vaga para o Brasil na modalidade.

“É passo a passo. Esse ano o importante é a classificação, tem o mundial em Stuttgart, tem os Jogos Pan-Americanos, que são muito importantes para a gente. A gente tem que estar bem preparado para essas competições além das outras pelo ano”, observou Arthur Zanetti.

Para o ginasta paraense Péricles Fouro, de 29 anos, passar por todas essas competições representa um foco para 2020. Ser um dos integrantes da delegação brasileira nos Jogos de Tóquio não é o único desejo.

Durante os treinamentos da equipe brasileira de ginástica artística, a ex ginasta e medalhista Luísa Parente acompanhou Josué Heliodoro, de 16 anos, ginasta juvenil da categoria do Flamengo. Segundo ela, esse contato com atletas mais experientes ajuda o desenvolvimento dos juvenis. “Sem dúvida porque ele quer competir, dar o melhor dele. Se sente mais seguro”, disse.

Até para quem é medalhista, esse contato é fundamental. O ginasta Diogo Hypolito, medalhista olímpico, revelou que ficou nervoso durante o treino e foi acalmado por um colega do juvenil. “Eu estava fazendo um exercício e não completei do jeito que queria. O Joãozinho [João Lucas Prunes Vieira] estava do meu lado e disse para eu me acalmar que era assim mesmo e eu ia conseguir”, disse.

Grande parte dos atletas entra para a ginástica artística ainda criança, como é o caso do Péricles Fouro, que começou na ginástica levado por uma tia aos 7 anos. “Na verdade, a minha tia me indicou: ‘Ele fica se pendurando aí, não para quieto, leva ele para fazer um teste na ginástica, vai que ele gosta’. Eu me apaixonei e não sai até hoje. Não foi uma ideia da minha cabeça. Eu não conhecia o esporte antes de ir para lá”, disse.

Luísa Parente, que tem muita experiência na identificação de possíveis ginastas concorda. “Quem não para quieto. Assiste TV de cabeça para baixo e pula de um sofá para outro é o perfil para fazer o teste da ginástica”.

O post Ginastas brasileiros iniciam treinamento de olho em Tóquio apareceu primeiro em ISTOÉ DINHEIRO.

Fonte Oficial: Isto É.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!