Commodities Nesta Semana: Shale em Destaque com Barril a $55; Ouro em Bom Momento – Investing.com

Não há dúvidas de que a Arábia Saudita continuará restringindo as exportações de petróleo para obter a cotação por barril que deseja. Também não se pode questionar o impacto positivo que a prolongada crise na Venezuela ou a têm sobre o petróleo.

Mas, será que o shale continuará sendo literalmente bombeado em níveis recordes com uma cotação de pelo menos US$ 55 por barril, neutralizando tudo isso?

Isso ninguém consegue responder com certeza.

No entanto, a história do como beneficiário final das ações do Fed pode se revelar mais clara, já que o metal amarelo rompeu diversos patamares do teto de US$ 1.300 na semana passada, antes da realização de lucros que os analistas enxergam como necessária para a continuidade do rali.

Vários pronunciamentos do Fed estarão no centro das atenções nesta semana, na medida em que os traders buscam maiores pistas sobre a taxa de juros. No topo da agenda estão as declarações do , que fará um discurso na quarta-feira em uma reunião pública com professores em WashingtonDC.

Petróleo WTI Gráfico Diário

No caso do petróleo, alcançou as máximas de 10 semanas na sexta-feira, graças à leitura atenciosa que o mercado fez dos dados relativos à da empresa Baker Hughes, que apresentaram uma queda de 15 unidades, totalizando 847 sondas, ou seja, a menor quantidade em nove meses.

Mas a aferição das sondas também tem sido volátil ultimamente, ao apresentar uma elevação de 10 unidades e uma queda 21 nas últimas duas semanas. E, embora o número atual marque a mínima de nove meses, a quantidade de sondas em operação ainda é maior do que há um ano, quando apenas 765 estavam ativas.

Número de sondas pode oscilar

Um indicador atrasado, mas atentamente observado para determinar a produção futura, a contagem de sondas é sensível aos preços e pode engrenar uma tendência de alta caso o WTI avance acima dos US$ 55 ao longo de fevereiro. Na semana passada, a Bloomberg informou que os gargalos no sistema de transporte no Permiano poderiam ser solucionados quatro meses antes do prazo, em razão da decisão da empresa operadora dos oleodutos de iniciar o transporte de petróleo bruto através de uma linha convertida de 200.000 bpd no início de fevereiro.

O Bank of America também estima que três quartos dos projetos não relacionados ao shale nos próximos cinco anos – envolvendo o petróleo bruto do Mar do Norte até a Guiana – serão lucrativos mesmo com um petróleo a apenas US$ 40.

A Reuters sugeriu que a queda na contagem de sondas na semana passada pode ter ocorrido porque alguns produtores deram prosseguimento a planos do ano passado de gastar menos com novos poços de petróleo quando os preços estivessem abaixo dos US$ 40.

Mas a recuperação do mercado desde então, bem como a análise sistemática dos últimos balanços das principais empresas energéticas dos EUA na prolífera bacia de shale no Permiano, podem contar uma história diferente.

A exploração será determinada pelos preços: Exxon e Chevron já mostram como

Durante a da ConocoPhillips (NYSE:) na quinta-feira, o presidente e CEO da companhia, Ryan Lance, declarou que a empresa estava comprometida a proporcionar um retorno de 30% aos acionistas, comentando, por outro lado, que analisará onde estará o preço da commodity no mercado ao decidir sobre novas perfurações.

A história foi mais ou menos parecida com a (NYSE:) e a (NYSE:), duas das maiores produtoras petrolíferas do mundo. Depois de perder a primeira fase do boom do shale no Permiano, elas produziram impressionantes 677.000 barris de petróleo e gás por dia no quarto trimestre, quase um quinto de toda a produção petrolífera da região.

Ambas divulgaram melhores resultados trimestrais na sexta-feira, com aumentos de dois dígitos porcentuais na produção. A Chevron, particularmente, elevou a produção sem deixar de distribuir dividendos consideráveis a seus investidores.

EIA pode anunciar outro recorde de produção de petróleo nos EUA

Além disso, da Energy Information Administration na semana passada mostraram que a produção petrolífera norte-americana atingiu o recorde de 12 milhões de barris por dia dois meses antes das expectativas. A EIA, que tem uma previsão de 13 milhões bpd para 2020, provavelmente fará uma atualização do recorde deste ano, quando emitir seu conjunto de dados de fevereiro.

Por enquanto, o momentum do petróleo é ascendente e, salvo se houver um salto na contagem de sondas, poderá aumentar em 18,5% seu retorno em fevereiro em comparação com o mês passado, que apresentou o melhor resultado da história para um mês de janeiro. Os ganhos podem ser impulsionados se os EUA e a China resolverem selar um acordo para encerrar a acirrada guerra comercial entre ambos. No acumulado do ano, o WTI já subiu mais de 21%, considerando o início do pregão asiático nesta segunda-feira.

Ouro à espera de discursos do Fed e dados da ISM

Para os investidores do ouro, a reunião pública do presidente do Fed, Jerome Powell, na quarta-feira, é apenas mais um dos eventos que podem fornecer alguma pista sobre a direção do mercado.Entre os pronunciamentos que devem ser feitos nesta semana estão o do vice-presidente do Fed, , e a da presidente do Fed de Cleveland, , o do presidente do Fed de St. Louis, ,e o do governador do Fed, , que podem dar mais sinais sobre a possibilidade de o ouro renovar as máximas na região dos US$1.300.

Gold Gráfico de 60 minutos

Gold Gráfico de 60 minutos

O rali de cinco dias seguidos do ouro, a melhor sequência de ganhos em 17 meses, se encerrou na sexta-feira, quando o presidente dos EUA, Donald Trump, afirmou que tentaria se encontrar com o líder chinês, Xi Jinping, a fim de selar um acordo comercial. Os investidores vêm comprando o ouro como proteção contra uma queda maior provocada pela China ou uma aposta de que o acordo comercial nunca acontecerá.

Além dos pronunciamentos do Fed, os investidores de metais preciosos podem observar a pesquisa da ISM, na terça-feira, sobrea para o mês de janeiro, que tem previsão de queda para 57.0 em comparação com os dados do mês anterior, de 57.6.

Fonte Oficial: Investing.com.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!