Sem surpresas, Copom deve manter juros em 6,5% – Exame

Ata da reunião deve dar norte para o mercado sobre os próximos passos da autoridade monetária

Por redação exame

access_time 6 fev 2019, 06h57 – Publicado em 6 fev 2019, 06h21

A decisão do Comitê de Política Monetária (Copom) não deve surpreender o mercado nesta quarta-feira, 6. Analistas consultados pela EXAME concordam que a taxa básica de juros do Brasil será mantida em 6,5% ao ano na reunião que termina hoje. O motivo é conhecido: a economia ainda dá sinais de fragilidade ante o potencial de crescimento do Produto Interno Bruto, e sobram incertezas no cenário internacional.

“Os consumidores ainda não sentiram de forma plena esse patamar mais baixo de juros, pois o spread bancário demorou a cair”, diz Juan Jensen, sócio da 4E Consultoria. Mas, conforme o cenário político-econômico se tornar mais claro, a expectativa é de que o spread (diferença entre a taxa que os bancos pagam e a taxa que cobram de seus clientes) diminua. Mesmo com a crise econômica dos últimos anos, os bancos continuaram reportando lucros recordes no Brasil — na noite de segunda-feira o Itaú anunciou ganhos de 25 bilhões de reais.

Em algum momento, portanto, a economia deve voltar a ganhar tração, e é nesse ponto que aparecem as divergências entre os analistas: quando essa guinada econômica deve acontecer e, consequentemente, quando o Copom deve elevar a Selic. É por isso que o comunicado do Copom será mais importante do que a decisão em si. Ali estarão pistas das projeções e dos cenários dos integrantes da autoridade monetária, o que pode dar um norte para o mercado.

A princípio, Jensen prevê que o aperto monetário deve acontecer no segundo semestre. “Espero que a partir de agosto o Copom eleve a Selic de forma moderada, com duas altas de 0,25 p.p. e duas de 0,5 p.p., para 8% ao ano”, afirma. Já André Perfeito, economista-chefe da Necton, não vê aumento de juros em 2019, somente no ano que vem. “No entanto, se eu estivesse à frente do Banco Central, eu cortaria os juros nessa reunião, pois a economia ainda está bastante fragilizada”, explica Perfeito.

Será uma boa oportunidade de ver para onde aponta o Banco Central sob a nova gestão de Roberto Campos Neto, ex-diretor do Santander.

Fonte Oficial: Exame.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!