Boi: Exportação de Carne Começa 2019 em Bom Ritmo – Investing.com

Os embarques de in natura registraram boa performance no primeiro mês do ano, cenário que colaborou para a sustentação dos valores da arroba no mercado brasileiro, de acordo com pesquisadores do Cepea. Em janeiro deste ano, o volume total de carne embarcada foi de 102,4 mil toneladas, elevação de 2,9% na comparação com o mesmo mês de 2018, segundo informações da Secex. A receita, porém, recuou no mesmo período, 9,84% (Secex). No mercado interno, dados do Cepea indicam que, no acumulado de janeiro, o Indicador ESALQ/BM&FBovespa do boi gordo recuou apenas 0,07%, fechando a R$ 153,30 no dia 31.

SUÍNOS: EMBARQUES ENFRAQUECIDOS E BAIXA LIQUIDEZ MANTÊM QUEDAS

O baixo consumo doméstico e o recuo das exportações de carne suína em janeiro, tipicamente observados neste período do ano, influenciaram as quedas nos preços do animal vivo e da carne nas regiões acompanhadas pelo Cepea. De acordo com informações da Secex, o total de carne embarcado pelo Brasil no primeiro mês de 2019 recuou fortes 15% na comparação com dezembro, totalizando 46,7 mil toneladas. No mercado interno, o suíno vivo foi negociado a R$ 3,86/kg na região SP-5 (Bragança Paulista, Campinas, Piracicaba, São Paulo e Sorocaba) em janeiro, valor 2,3% inferior ao de dezembro. Quanto às carnes, negociadas no atacado da Grande São Paulo, as desvalorizações foram ainda maiores. A carcaça especial suína teve preço médio de R$ 6,06/kg e a comum, de R$ 5,75/kg, com respectivas quedas de 4,4% e 2,5% em relação a dezembro.

UVA: MERCADO NORDESTINO TEM BAIXO MOVIMENTO

O mercado de uva do Vale do São Francisco (PE/BA) esteve praticamente parado na última semana de janeiro, de acordo com informações do Hortifruti/Cepea. Com poucas frutas na região e demanda desaquecida no final do mês, produtores enfrentaram dificuldades nas negociações. Além disso, as uvas finas de Pilar do Sul e São Miguel Arcanjo (SP) estão com preços mais competitivos por estarem mais perto dos centros de distribuição, incorporando menos custos logísticos, e por chegarem às prateleiras mais frescas do que as uvas do Nordeste. Além disso, o maior volume de uvas chilenas e peruanas no Brasil tem dificultado os envios do Vale (SA:) para outras regiões.

Fonte Oficial: Investing.com.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!