Funai comemora Festa da Colheita em MT com a cúpula do agronegócio – Exame

O agronegócio vai conhecer “o plantio de 2 mil hectares de soja biológica” em terras indígenas, situação controversa e alvo de questionamentos

Por André Borges, do Estadão Conteúdo

access_time 12 fev 2019, 13h46

Brasília – A Fundação Nacional do Índio (Funai) informou que vai comemorar a “Festa da Colheita” de grãos em Mato Grosso com a cúpula do agronegócio. O festejo, previsto para receber diversas autoridades e cerca de 400 pessoas, foi batizado de “1º Encontro do Grupo de Agricultores Indígenas”.

Nesta quarta-feira, 13, o encontro, que começou no dia 11, prevê a presença da ministra da Agricultura, Tereza Cristina, e do ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles. Estão confirmados ainda o governador de MT, Mauro Mendes, e o diretor de Promoção ao Desenvolvimento Sustentável da Funai, Fernando Melo, além do ex-ministro da Agricultura, Blairo Maggi, que também é produtor de soja no Estado.

Representantes da Associação dos Produtores de Soja e Milho do Estado de Mato Grosso (Aprosoja-MT) e da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) também comparecerão.

A cúpula do agronegócio vai conhecer “o plantio de 2 mil hectares de soja biológica” em terras indígenas, uma situação controversa e que ainda é alvo de diversos questionamentos jurídicos. O governo quer expandir em diversas terras indígenas do País o modelo adotado na terra Utiariti, do povo Paresi.

“Durante esses dias, lideranças indígenas estão reunidas na elaboração de um documento com reivindicações, como a criação de um Centro de Capacitação, que será entregue aos ministros e ao diretor da Funai”, informou a fundação.

Cerca de 2 mil indígenas cultivam soja, milho, mandioca, abóbora, batata, batata-doce e feijão, entre outras culturas. Na safra 2018/2019, segundo a Funai, foram plantados no município de Campo Novo do Parecis 8,7 mil hectares de soja, 1 mil de milho e 300 de arroz.

“Para a safrinha deste ano, a previsão de plantação é de 7,7 mil hectares de milho convencional, 6 mil hectares de feijão, 1,4 mil hectares de girassol e 500 hectares de milho branco, totalizando 15,6 mil hectares”, informou a autarquia.

O presidente da Funai, Franklimberg Ribeiro de Freitas, diz que “os indígenas têm o direito de escolher seu modelo de desenvolvimento econômico”.

Reportagem publicada pelo jornal O Estado de S. Paulo em dezembro revelou que a proibição legal de se explorar terras indígenas demarcadas não tem impedido que produtores fechem acordos com aldeias espalhadas por todo o País, avançando com o plantio de grãos e criação de gado sobre essas terras.

Segundo dados fornecidos pela Funai por meio da Lei de Acesso à Informação, atualmente, 22 terras indígenas do País possuem áreas arrendadas para produtores. As negociações clandestinas entre produtores e indígenas incluem desde o pagamento de mensalidades para os índios até a divisão da produção colhida ou vendida.

Nessas 22 terras, mais de 48 mil índios convivem hoje com a exploração ilegal do solo. A área total arrendada aos produtores externos chega a 3,1 milhões de hectares, um território equivalente a mais de cinco vezes o tamanho do Distrito Federal.

Fonte Oficial: Exame.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!