Semana Terá Nova Previdência, Nova UDN, Crise Política, IPCA-15 e Ata do Fomc – Investing.com

O presidente Jair Bolsonaro mostrou uma disposição ímpar ao deixar o hospital na semana passada, não só aprovando as linhas gerais da reforma da Previdência, chamada pela equipe do governo de Nova Previdência, como ainda detonando um dos seus principais assessores e provocando uma crise política que pode levar à criação de um novo partido para substituir o partido governista, o PSL. O anúncio da idade mínima de 62 anos para mulheres e 65 para homens e com prazo de transição menor, 12 anos, agradou os investidores, que aguardam agora o envido do projeto com mais detalhes nesta semana, até quarta-feira. O texto final deve tratar dos benefícios por idade e deficiência, que podem ficar abaixo do salário mínimo, e do acúmulo de benefícios e regras para trabalhadores rurais e militares.

Bebiano pode sair na segunda-feira

Ao mesmo tempo, os investidores vão estar atentos aos desdobramentos políticos da Crise das Laranjas, que deve levar à saída do secretário-geral da Presidência, Gustavo Bebiano, nesta segunda-feira. Trata-se da primeira baixa do governo em menos de dois meses após a posse, em meio a denúncias de que o PSL, que Bebiano presidia, financiou candidaturas laranjas em Pernambuco e Minas Gerais.

Bebiano não é só um auxiliar. Como presidente do PSL, ele foi um dos principais articuladores políticos da candidatura de Bolsonaro, mas nunca conseguiu superar a influência da família sobre o presidente. A forma como Bebiano sai, chamado de mentiroso pelo presidente e por seu filho, Carlos, pode cobrar seu preço em revelações sobre os bastidores da campanha e da formação do governo, além de aumentar a desconfiança de possíveis aliados no Congresso com possíveis alianças. O presidente perde também um articulador no Congresso que começava a ganhar respeito entre os partidos, ao lado do chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni. E, se Bebiano for substituído pelo general Floriano Peixoto, secretário-executivo da pasta, reforçará ainda mais o núcleo militar do governo.

A volta da UDN

Para completar, os filhos do presidente, sua verdadeira base de apoio, negociam a criação de um novo partido que ressuscitaria a antiga União Democrática Nacional (UDN), segundo informações do jornal O Estado de S.Paulo. O partido defendia ideais liberais, mas não se furtava em apoiar tentativas de golpes de Estado durante os anos 1950 e 1960, e teve seu melhor momento com a eleição de Jânio Quadros, que renunciou sete meses depois de assumir.

A criação de um novo partido com um nome que remete a um passado não tão glorioso às vésperas da votação da reforma da Previdência é um movimento no mínimo temeroso para um governo que precisa aprovar reformas constitucionais polêmicas no Congresso. Algo como trocar a turbina do avião durante o voo.

Fomc, IPCA-15, Caged, desemprego e PMI

Para além do cenário político e da Nova Previdência, a semana terá dados importantes na economia local e internacional. Na quarta-feira, nos EUA, saem os dados da ata da última reunião do Comitê de Mercado Aberto (Fomc) do Federal Reserve (Fed, banco central americano). Já na quinta, no Brasil, sai o IPCA-15 de fevereiro, que serve de prévia para o IPCA, usado nas metas de inflação do Banco Central (BC). O IPCA-15 subiu 0,30% em janeiro e a estimativa do Banco Fator é de alta de 0,48%. Na sexta-feira, o IBGE divulga os dados de emprego e desemprego da Pesquisa Nacional por Amostra em Domicílio (Pnad) contínua do quarto trimestre.

Desaquecimento da Europa

Na Zona do Euro e nos EUA, saem na quinta-feira os Índices de Gerentes de Compras (PMI) da Manufatura e de Serviços de fevereiro e a inflação ao consumidor (CPI) da Alemanha, que podem reforçar o receio com um desaquecimento da economia mundial. Na sexta-feira será conhecido o PIB da Alemanha no quarto trimestre e os preços ao consumidor na zona do euro.

Sem data definida, no Brasil, o Ministério do Trabalho divulgará os dados de emprego formal (Caged) de janeiro, com a expectativa do Banco Fator de criação de 75 mil vagas. Saem também dados da arrecadação federal de janeiro.

Muro de emergência e negociação EUA-China

Em outro foco das atenções dos investidores, autoridades americanas devem se reunir com representantes chineses para continuar negociando um acordo para reduzir o déficit comercial chinês com os EUA. As reuniões acontecem agora em solo americano e o presidente Donald Trump se disse otimista com as negociações, que precisam ter algum avanço até o começo de março, quando a alta de tarifas para produtos chineses entra em vigor.

Já a polêmica decretação de emergência nacional por Trump para conseguir recursos para construir o muro na fronteira dos EUA com o México deve continuar repercutindo no Congresso. A oposição democrata e mesmo republicanos descontentes com a transferência de recursos das Forças Armadas para o muro podem criar problemas para o presidente americano em outros campos.

Índice perto dos 100 mil de novo

O encerrou o pregão sexta-feira aos 97.525 pontos, em queda de 0,50%, acumulando alta de 0,14% no mês, 10,97% no ano e 15,7% em 12 meses. Até dia 13 de fevereiro, a bolsa registra um ingresso líquido de capital estrangeiro de R$ 655,8 milhões, aumentando o saldo positivo do ano para R$ 1,3 bilhão.

Fonte Oficial: Investing.com.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!