Açúcar: Menor Produção Limita Exportações em Jan/19 – Investing.com

As exportações brasileiras de recuaram com certa força em janeiro. Segundo pesquisadores do Cepea, além do período de entressafra, o menor volume embarcado também reflete a queda na produção da commodity na região Centro-Sul do País nesta temporada. No mês passado, o Brasil exportou 1,097 milhão de toneladas de açúcar, volume 32,27% inferior ao de dezembro/18 (1,619 milhão de toneladas) e 30% abaixo do de janeiro/18 (1,566 milhão de toneladas), de acordo com dados do Comex (Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços). No mercado spot paulista, o volume negociado entre 11 e 15 de fevereiro aumentou ligeiramente, devido a um pontual aquecimento da demanda. Já os preços se comportaram de acordo com a qualidade do açúcar disponível – para os tipos Icumsa 150, a oferta seguiu restrita e os valores, firmes; já para o Icumsa 180, algumas usinas chegaram a reduziram os preços pedidos. Entre 11 e 15 de fevereiro, a média do Indicador CEPEA/ESALQ, cor Icumsa de 130 a 180, mercado paulista, foi de R$ 69,52/saca de 50 kg, queda de 0,6% em relação à da semana anterior (de R$ 69,95/saca de 50 kg).

ETANOL: HIDRATADO REMUNERA MAIS QUE ANIDRO PELA 1ª VEZ NESTA TEMPORADA

Com as recentes altas nos preços, o etanol hidratado passou a remunerar mais que o anidro – entre 11 e 15 de fevereiro, a vantagem foi de 2%, segundo cálculos do Cepea. Esta é a primeira inversão verificada na safra 2018/19 – a última vez que o hidratado superou o anidro foi no final de março de 2018 (temporada 2017/18), em 3%. Quanto aos preços dos etanóis, seguiram em alta. Entre 11 e 15 de fevereiro, o Indicador CEPEA/ESALQ do etanol hidratado fechou a R$ 1,6921/litro (sem ICMS e sem PIS/Cofins), forte aumento de 7,09% em relação ao da semana anterior. No caso do etanol anidro, o Indicador CEPEA/ESALQ foi de R$ 1,7586/litro (sem PIS/Cofins), elevação de 3,59% na mesma comparação. Conforme colaboradores do Cepea, o impulso aos preços vem da demanda aquecida – na semana passada, as aquisições envolveram grandes volumes, tanto em São Paulo quanto em outros estados da região Centro-Sul. Além disso, usinas estão bastante firmes quanto aos valores de venda, quase sem diferencial logístico entre as regiões produtoras.

TRIGO: TRIGO PODE SER BOA ALTERNATIVA AO PRODUTOR NA 2ª SAFRA

Com o avanço da colheita dos grãos de verão no Paraná, triticultores do estado já planejam a divisão das áreas de semeio na segunda safra. Como o clima está favorável ao desenvolvimento tanto do quanto do , os preços e custos de produção é que irão balizar a tomada de decisão dos agricultores por um ou outro. Segundo dados da equipe de custos agrícolas do Cepea, em Cascavel (PR), o custo operacional de produção do milho 2ª safra foi calculado em R$ 2.822,54/hectare, contra R$ 1.901,03/ha para o trigo. A produtividade média das últimas três safras foi de 93 sacas/ha para o milho e de 49 sc/ha para o trigo, de acordo com dados do Deral/Seab. Considerando-se os valores médios de venda em janeiro/19, as receitas geradas seriam de R$ 2.724,08/ha para o milho e de R$ 2.343,38/ha para o trigo. Portanto, a receita obtida com a cultura do trigo foi suficiente para saldar os custos operacionais e gerar margem positiva ao produtor, de R$ 442,35/ha. Já a receita obtida com o milho 2ª safra não foi suficiente para cobrir o total de desembolsos, resultando em margem negativa ao produtor, de R$ 98,46/ha.

LEITE: ESTOQUES REDUZIDOS E MENOR PRODUÇÃO ELEVAM PREÇO DO UHT

O preço do leite UHT negociado no atacado do Estado de São Paulo subiu 0,24% entre as duas últimas semanas, fechando com média de R$ 2,4357/litro no período entre 11 e 15 de fevereiro. Conforme colaboradores do Cepea, as altas estiveram atreladas aos estoques, que continuam controlados, e à redução da produção por parte de alguns laticínios. Apesar da valorização, as negociações entre laticínios e atacados permaneceram baixas. Já o queijo muçarela se desvalorizou 0,83% na mesma comparação, fechando com média de R$ 17,2862/kg entre 11 e 15 de fevereiro. Quanto à liquidez no mercado deste derivado, permaneceu estável no período.

Fonte Oficial: Investing.com.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!