Incerteza do Brexit ameaça provocar fuga de empresas do Reino Unido – Exame

Honda anunciou o fechamento da sua fábrica em Swindon. Outras empresas, como a Sony, também irão transferir a sede ou podem diminuir investimentos

Por Guillermo Ximenis, da EFE

access_time 19 fev 2019, 17h44 – Publicado em 19 fev 2019, 17h32

Londres – O anúncio de que a Honda fechará sua fábrica em Swindon, no sul da Inglaterra, onde trabalham cerca de 3.500 pessoas, agravou o temor de que a incerteza provocada pela saída do Reino Unido da União Europeia desencadeie uma fuga de empresas e outras consequências econômicas negativas no país.

Os planos da Honda se somam à decisão tomada pela Nissan neste mês de deixar de produzir seu modelo X-Trail na Inglaterra e às advertências por parte da Ford e do grupo Jaguar Land Rover sobre os riscos de uma saída não negociada da UE.

Além das gigantes do setor automotivo, a Sony anunciou a transferência da sua sede europeia para Amsterdã, na Holanda, e a Airbus alertou que pode deixar o Reino Unido em caso de um Brexit não negociado com a UE. Já a Siemens planeja reduzir seus investimentos no país.

Milhares de companhias ativaram planos de contingência diante da possibilidade de que o Reino Unido rompa seus laços com Bruxelas de maneira não negociada no próximo dia 29 de março, segundo as Câmaras de Comércio Britânicas (BCC, na sigla em inglês).

O parlamento britânico rejeitou em janeiro os termos de saída pactuados com a UE, razão pela qual o país deixará o bloco sem período de transição algum dentro de seis semanas se não ratificar antes um pacto ou pedir uma extensão do prazo, algo que a primeira-ministra, Theresa May, descarta por enquanto.

Temor de barreiras comerciais

Um Brexit sem acordo ameaça colapsar os portos britânicos em um primeiro momento e complicar mais adiante os trâmites alfandegários, devido à imposição de novas tarifas às importações e às exportações.

Muitas empresas com base no Reino Unido têm redes de fabricação internacional, nas quais alguns componentes cruzam o canal da Mancha em ambas as direções antes de serem montados no produto final, motivo pelo qual tarifas e atrasos na fronteira podem afetar suas operações.

Deixar a UE sem um acordo, além disso, obrigaria as companhias britânicas a comercializar com os demais países sob as normas da Organização Mundial do Comércio (OMC), com condições menos vantajosas que os atuais tratados dos quais o Reino Unido participa como membro da união aduaneira comunitária.

O governo britânico prevê ter prontos no dia 29 de março apenas seis pactos comerciais para substituir os 40 mantidos pela UE, segundo a imprensa do país, entre eles com Chile, Suíça, Mercado Comum da África Oriental e Austral (COMESA, em inglês) e Ilhas Faroe.

Por enquanto parece fora do alcance do governo fechar a tempo acordos com grandes parceiros comerciais como Coreia do Sul, Japão e Canadá.

Riscos para a Cidade de Londres

O setor de serviços, que representa cerca de 80% da economia britânica, e em particular os serviços financeiros, com base na Cidade de Londres (centro financeiro e histórico da capital britânica), também antecipam turbulências se perderem o acesso ao mercado único europeu.

Desde o referendo de junho de 2016, no qual a opção do Brexit ganhou, 56% dos bancos e brokers tornaram público que consideram transferir operações a outros países europeus, ou até já confirmaram esses movimentos, segundo a empresa de consultoria EY.

A consultora calcula que o setor financeiro deslocou ativos em um valor de 800 bilhões de libras (912 bilhões de euros) de Londres a outros centros de operações europeus nos últimos dois anos e meio.

O Bank of America, por exemplo, transferiu sua sede europeia para Dublin em dezembro, uma operação na qual investiu US$ 400 milhões e que, segundo antecipou, não reverterá mesmo que o Reino Unido pactue uma saída suave da UE.

Nesta semana, a seguradora Aviva iniciou trâmites para enviar a Dublin 9 bilhões de euros em ativos, segundo o jornal “The Irish Times”, após ter completado uma transferência de mais 1 bilhão de euros no início do mês.

 Concorrência internacional

A Holanda captou no ano passado 42 empresas britânicas ou com sólidas estruturas no Reino Unido, devido ao Brexit, e está tentando atrair outras 250, segundo o próprio governo holandês.

Além da Sony, a Panasonic, o banco de investimento japonês Norinchukin, a seguradora marítima UK P&I Club e a companhia de serviços de mídia TVT Media decidiram transferir parte de suas operações para Amsterdã.

Outros países europeus como Irlanda, França, Alemanha, Bélgica e Luxemburgo também estão tentando capitalizar as oportunidades oferecidas pela ruptura britânica com a UE.

O presidente da França, Emmanuel Macron, se reuniu neste ano com representantes de mais de 140 multinacionais, entre elas Goldman Sachs e Google, a quem pediu em inglês: “Choose France” (“Escolham a França”).

Fonte Oficial: Exame.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!