ONGs criticam sistema judiciário japonês por caso Ghosn – Isto É

Ghosn é acusado de omitir milhões de dólares em salário como diretor da Nissan – AFP/Arquivos

Duas organizações de defesa dos direitos humanos exortaram o Japão nesta quarta-feira (20) a reformar seu sistema judiciário, ao afirmar que a detenção do ex-diretor da Nissan, Carlos Ghosn, ilustra suas “graves falhas”.

Em declaração conjunta, a Federação Internacional de Direitos Humanos e o Centro dos Direitos dos Presos (CPR) japonês criticaram um sistema que permite a detenção prolongada se suspeitos antes do julgamento.

Ghosn, alvo de três acusações de irregularidades financeiras, está detido desde 19 de novembro e perdeu várias ações de liberdade sob fiança.

“A comunidade internacional finalmente prestou atenção ao imperfeito sistema de justiça penal do Japão”, disse a secretária-geral do CPR, Maiko Tagusari.

“A negação do direito de Ghosn a um advogado durante o interrogatório, sua detenção prolongada antes da acusação e suas condições de prisão expõem alguns dos graves defeitos que caracterizaram o sistema de justiça penal do Japão durante tempo demais”, acrescentou Tagusari no comunicado.

Os grupos exortaram o Japão a “tomar urgentemente medidas concretas para abordar” estas falhas, incluindo a apresentação de informes adiados aos organismos de direitos da ONU.

Fonte Oficial: Isto É.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!