Venda de combustíveis registrou estabilidade no ano passado

A venda de combustíveis no mercado brasileiro mostrou estabilidade no ano passado, com 136,060 bilhões de litros comercializados e aumento de 0,025% em relação aos 136,026 bilhões vendidos em 2017. Os dados foram apresentados hoje (19) pela Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) no Rio de Janeiro.

O diretor-geral da ANP, Décio Oddone, defendeu a adoção de preços relacionados à paridade de importação. Segundo Oddone, isso é fundamental para atrair investimentos. “Todos se beneficiam com isso. Queremos, cada vez mais, trazer transparência para o mercado. Precisamos decidir se queremos continuar com monopólio, oligopólio, intervenção no mercado, ou se queremos transparência e um mercado competitivo”, afirmou.

Apesar da relativa estabilidade, alguns setores já sinalizam recuperação. O crescimento do óleo diesel B de 2017 para 2018 foi de 1,4%, o que indica movimento de recuperação da economia.  Contribuíram para esse crescimento a expansão do licenciamento de veículos novos, em especial ônibus e caminhões, e o aumento da venda de máquinas agrícolas.

Por outro lado, a comercialização do etanol hidratado subiu 42,1%, passando de 13,642 bilhões de litros em 2017, para 19,385 bilhões de litros no ano seguinte, motivada, em grande parte, pelo ganho de competitividade frente à gasolina C nos estados maiores produtores de etanol. O querosene de aviação cresceu 7,6%, motivado pela expansão do setor de aviação.

Gasolina

O relatório da ANP revela também que a gasolina diminuiu o volume comercializado em 13,1% em relação a 2017, caindo de 44,150 bilhões de litros para 38,352 bilhões de litros, no ano passado. O mesmo percentual de queda foi observado no etanol anidro (misturado à gasolina). Já o etanol total, que é a soma de anidro e hidratado, aumentou 16,3%, passando de 25,563 bilhões de litros para 29,740 bilhões de litros.

As vendas de biodiesel cresceram 25,3% (de 4,302 bilhões de litros em 2017 para 5,391 bilhões de litros em 2018). O crescimento foi resultado do aumento da mistura obrigatória ao diesel em março de 2018 de 8% (B8) para 10% (B10), informou a ANP. Os dados revelam ainda que a comercialização de gás liquefeito de petróleo (GLP) caiu 1% (de 13,389 bilhões metros cúbicos para 13,257 bilhões metros cúbicos), em função do aumento dos preços médios ao longo do ano, embora o PIB industrial tenha crescido 3% de um ano para o outro.

O levantamento indica também recuo de 31,6% na comercialização de óleo combustível (de 3,385 bilhões de litros para 2,316 bilhões de litros). O gás natural veicular (GNV) mostrou expansão de 12,3% no volume comercializado, passando de 5,395 milhões de metros cúbicos por dia para 6,056 milhões de m³/dia.

De acordo com a ANP, as importações dos principais derivados de petróleo diminuíram 24,5% entre 2017 e 2018, devido à combinação da retração na demanda interna e do aumento da produção nacional desses produtos. No caso dos biocombustíveis, foi registrada queda de 84% das importações em razão do aumento da produção nacional.

Edição: Nádia Franco

Fonte Oficial: EBC.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!