Recuperação do Brasil tem um quê de otimismo e de ilusão – Exame

Hiato entre condições reais e expectativa nunca foi tão alto; Aloisio Campelo Jr., da FGV, vê possível “wishful thinking” da população

Por David Biller, da Bloomberg

access_time 23 fev 2019, 08h01 – Publicado em 23 fev 2019, 08h00

Faltavam três horas para a incorporadora imobiliária abrir as portas, mas já tinha gente fazendo fila para comprar apartamentos que ainda seriam construídos em um bairro de classe média do Rio de Janeiro.

Marcelo Parreira, diretor de novos produtos da RJZ Cyrela, sentiu alívio. Filas antes do amanhecer não eram vistas desde que o Brasil mergulhou em uma profunda recessão em 2015, e aquele lançamento no fim de agosto era o primeiro da empresa desde então.

Os brasileiros estavam ficando cada vez mais otimistas com o futuro com Jair Bolsonaro a caminho de vencer a eleição presidencial. Em um mês, a empresa vendeu antecipadamente todas as 176 unidades.

A venda “deu otimismo para a empresa e para todo o mercado imobiliário”, disse Parreira. “Tinha gente com dinheiro que estava apenas paralisada, esperando a confiança para investir.”

Como ocorre frequentemente após uma eleição, a confiança aumentou ainda mais quando Bolsonaro garantiu a vitória em outubro. O otimismo do consumidor atingiu o patamar mais alto em seis anos e meio em janeiro, de acordo com um índice da Fundação Getulio Vargas.

No entanto, o gap nunca foi tão grande entre as expectativas e as condições econômicas atuais, incluindo o mercado de trabalho e as finanças das famílias.

Isso significa que os brasileiros podem se deparar com um choque de realidade, especialmente se Bolsonaro não conseguir realizar as reformas necessárias para dar impulso à anêmica recuperação do país.

As expectativas dos consumidores são um motor tradicional do crescimento, mas há muitos sinais preocupantes na recuperação.

O desemprego parou de cair no quarto trimestre, as vendas no varejo caíram 2,2 por cento em dezembro em relação ao mês anterior e a produção de carros em janeiro despencou 10 por cento em relação ao ano anterior.

O Itaú Unibanco reduziu sua projeção para o PIB de 2019 do Brasil em meio ponto percentual, para 2 por cento.

“Há uma certa onda de otimismo que vai além da economia e tem um componente subjetivo, desconectado da vida real”, disse Aloisio Campelo Jr., superintendente de estatísticas públicas do Instituto Brasileiro de Economia da FGV. “Depois de uma crise tão grande, talvez haja wishful thinking por parte do consumidor.”

Empregos na construção civil

Mesmo com a taxa básica de juros no menor nível da história, a maior economia da América Latina continua retida por uma taxa de desemprego de 11,6 por cento.

Os empregos formais da construção, um dos setores que mais empregam no país, caíram cerca de 40 por cento desde 2014, para 2 milhões. Eles só voltarão aos níveis registrados antes da crise depois de 2021 e somente se os legisladores aprovarem a polêmica reforma da Previdência, que Bolsonaro enviará ao Congresso nesta semana, disse José Carlos Martins, presidente da Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC).

A reforma é necessária para embasar a confiança e fornecer ao governo o alívio financeiro para estimular o investimento privado e público. Por enquanto, paira uma sombra sobre o setor de infraestrutura desde que a Operação Lava Jato revelou um grande esquema de corrupção e colocou líderes das maiores construtoras do país e políticos importantes atrás das grades.

A promessa de Bolsonaro de erradicar a corrupção não vai beneficiar a economia da noite para o dia, o que poderia decepcionar seus esperançosos defensores, disse a economista da Bloomberg Adriana Dupita.

“Quando você está em crise e começa a ver mais estabilidade no trabalho, você compra uma cerveja um pouco melhor, mas não sai para comprar um apartamento”, disse Ricardo Carvalho, diretor administrativo da Fitch Ratings para empresas no Brasil, em seu escritório, na região portuária do centro do Rio de Janeiro — área de um esperado boom imobiliário que não se materializou. “Você precisa ter a certeza de estar empregado em cinco anos.”

Na linha preta: condições econômicas reais dos consumidores. Na linha vermelha: expectativas econômicas Na linha preta: condições econômicas reais dos consumidores. Na linha vermelha: expectativas econômicas

Na linha preta: condições econômicas reais dos consumidores. Na linha vermelha: expectativas econômicas (Gráfico/Bloomberg)

Fonte Oficial: Exame.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!