Governo Trump anunciará mais sanções contra regime de Maduro, diz Pence – Exame

Estados Unidos pressionam para que venezuelano saia do comando do país e o autodeclarado presidente interino, Juan Guaidó, assuma o poder

Por Estadão Conteúdo com Agência Brasil

access_time 25 fev 2019, 15h37 – Publicado em 25 fev 2019, 15h07

São Paulo – O vice-presidente dos Estados Unidos, Mike Pence, afirmou em discurso nesta segunda-feira em reunião extraordinária do Grupo de Lima em Bogotá que a administração do presidente Donald Trump imporá mais sanções contra o regime de Nicolás Maduro, da Venezuela. O governo americano pressiona pela queda de Maduro e para que seja reconhecido o autointitulado presidente interino, Juan Guaidó.

Pence lembrou que os EUA já impuseram sanções contra ao menos 50 cidadãos venezuelanos e contra a estatal petrolífera PdVSA. Além disso, ressaltou que o governo Trump foi o primeiro a reconhecer Guaidó como “presidente legítimo”. Segundo ele, agora é necessário intensificar o isolamento do regime de Maduro, isolando-o. “Todos os países do Grupo de Lima devem congelar ativos da PdVSA”, defendeu, pedindo também que essas nações passem os ativos do governo venezuelano para o controle de Guaidó.

O vice de Trump repetiu a ameaça feita pelo presidente de que “todas as opções estão sobre a mesa” para lidar com a crise, embora tenha dito esperar uma transição pacífica. Os militares da Venezuela podem aceitar a oferta de anistia ou serão responsabilizados mais adiante, alertou.

Pence afirmou que os EUA já enviaram US$ 139 milhões em ajuda à Venezuela, por meio de Colômbia e Brasil. Ele criticou os partidários de Maduro por queimarem caminhões com ajuda e por disparos indiscriminados contra civis inocentes. “Maduro está desesperado e busca intimidar população”, disse.

O vice-presidente americano comentou que vários países já se comprometeram a lutar contra a lavagem de dinheiro pelo regime venezuelano. Pence afirmou que o governo de Caracas recebe apoio de Cuba, mas garantiu que a força de Maduro diminui a cada dia. Também pediu que México, Uruguai e países do leste do Caribe também reconheçam Guaidó como líder legítimo do país.

Militares

Pence se dirigiu também aos militares das Forças Armadas da Venezuela que se mantêm fieis a Maduro. De acordo com o vice-presidente americano, é “chegada a hora” de compreender a legitimidade de Guaidó como presidente interino e aceitar a oferta de anistia. Do contrário, Pence foi claro: as consequências serão graves, e o isolacionismo é certo.

“Vocês podem escolher aceitar a oferta de Guaidó de anistia, mas se vocês escolherem continuar a apoiar Maduro, vocês serão responsabilizados. Vocês não vão encontrar nenhuma saída fácil, nenhuma escapatória”, ressaltou o norte-americano.

Pence negou que os Estados Unidos ou Guaidó adotem medidas com caráter de vingança. “O presidente Guaidó não busca a vingança, os Estados Unidos, também não. Se vocês [militares venezuelanos] assumirem a bandeira da democracia, o presidente Guaidó e os governo dos Estados Unidos vão acolher e garantir que serão liberados das sanções impostas.”

Dinheiro

O vice-presidente anunciou ainda o repasse de US$ 56 milhões a mais para apoiar os países da região no suporte à Venezuela. Pence destacou o papel da população venezuelana, que saiu às ruas pedindo democracia e liberdade. “O povo que ama a liberdade da Venezuela, saiba que vocês não estão sozinhos.”

Ele afirmou ainda que o esforço internacional é para assegurar uma transição pacífica na Venezuela. “Chegou a hora”, repetiu o vice-presidente, mais de uma vez. “O dia está chegando”, afirmou. “O povo verá o renascimento da liberdade. O bom povo da Venezuela.”

Fonte Oficial: Exame.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!